Imprimir PDF

Humanidades

A FAPESP de casa nova

No próximo ano 2000, a FAPESP estará se mudando para a sua nova sede: um prédio de quatro andares em meio a uma enorme área verde, localizado na Avenida Escola Politécnica, próximo à marginal do rio Pinheiros, Jaguaré. O projeto arquitetônico da nova sede, que venceu concorrência pública para a qual foram apresentados 59 projetos, é de Hector Vigliecca, do escritório Arquiteto Hector Vigliecca e Associados, e une simplicidade, funcionalidade, sobriedade e, ao mesmo tempo, modernidade de estilo e concepção.

“Dividimos o terreno em dois setores bem claros: um construído e o outro, uma grande área verde, ambos com o mesmo valor, integrando-se, um não existindo sem o outro”, destaca o responsável pelo projeto. A área verde, projetada pela paisagista Rosa Klias, será a reprodução de uma mata, com grande variedade de espécies, criando um microclima muito adequado para a área construída, ainda segundo o arquiteto. “Quase 100% dos ambientes terá contato com o verde”.

O prédio – que Hector Vigliecca define como uma caixa de vidro de quatro andares – destaca a simplicidade e a funcionalidade interna. “Com o tempo, variam os tamanhos das gerências e a área interna foi concebida de forma totalmente modulável, permitindo uma adequação do espaço no tempo”. A nova sede terá um auditório para 250 pessoas, podendo ser dividido para abrigar eventos menores, e, no saguão de entrada, uma área para exposições, incluindo um deck para esculturas.

Os funcionários não foram esquecidos. Atendendo solicitação apresentada pelo Grêmio dos Funcionários da FAPESP, a nova sede contará com área de lazer e quadra poliesportiva. Todos os 59 projetos arquitetônicos apresentados (de um total de 97 candidatos inscritos), incluindo a maquete do projeto vencedor, estão apresentados na exposição FAPESP 2000: A Visão dos Arquitetos, que se realiza do dia 21 deste mês de maio a 8 de junho próximo, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP.

Novas exigências
Criada em 1962, a FAPESP teve em seus primeiros meses, como sede provisória, algumas salas do quarto andar do prédio da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Em outubro daquele mesmo ano, adquiriu e mudou-se para o 14º andar do edifício Pasteur, na Avenida Paulista, onde permaneceu até 1977, quando se transferiu para a sua sede atual. Concebida para atender toda a sua estrutura e organização, a atual sede, entretanto, ficou pequena, diante da expansão das atividades da Fundação,com a criação de novos programas e o aumento (quase o dobro) das solicitações por bolsas e auxílios à pesquisa, nos últimos anos.

Em agosto de 1996, o Conselho Universitário da USP aprovou o início de processo de negociação com a FAPESP para a venda do terreno de sua propriedade e foi constituída uma comissão, formada por representantes das duas instituições, para estabelecer os termos da transação. Na ocasião, o diretor presidente da FAPESP, professor Francisco Romeu Landi, destacou que a área para a nova sede fora escolhida tendo em vista as facilidades de acesso para as unidades das universidades situadas no interior e na capital.

Em novembro do ano passado, o arquiteto Cesar Bergström Lourenço elaborou, a convite da FAPESP, a minuta do termo de referência para o concurso público de arquitetura para o projeto da nova sede. De acordo com Cesar Bergström, que também integrou a comissão julgadora do concurso, junto com os arquitetos Abrahão Sanovicz, Jon Andoni Maitrejean, José Carlos Ribeiro de Almeida e Pedro Paulo de Melo Saraiva, a participação foi muito boa.

Foram apresentados 59 projetos arquitetônicos e todos eles de boa qualidade. O vencedor é um projeto que, no entender da comissão julgadora, atende plenamente os objetivos da FAPESP”. Segundo ele, o concurso acabou se constituindo também num importante evento cultural – cinco projetos foram premiados, recebendo prêmios de R$ 12 a R$ 6 mil, do 1º ao 5º colocado, e cinco receberam menção honrosa e prêmio no valor de R$ 5 mil. Além disto, todos os projetos inscritos encontram-se em exposição na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (ver box ao lado). “Isto vai permitir uma visão do estado atual da nossa arquitetura e uma reflexão e debate sobre os diferentes projetos.

Cesar Bergström assinala que, para elaborar o edital do concurso, foi feita uma pesquisa dentro da Fundação para compreender o seu organograma e todo o seu funcionamento, além de identificar as tendências de crescimento e evolução das tecnologias de trabalho do que resultou o Termo de Referência incorporado ao Edital. “A FAPESP passa por um processo de transição, deixando de usar métodos tradicionais de trabalho e cada vez mais se informatizando, e isto indica uma tendência para o novo prédio. Além disto, a demanda de bolsas e auxílios aumentou de maneira vertiginosa, configurando uma fase de mudança bastante dinâmica, permitindo prever o que irá acontecer nos próximos anos”.

Foi recomendado aos concorrentes que o projeto do novo prédio incorporasse os mais adequados recursos tecnológicos disponíveis, sem exibicionismo ou malabarismos estruturais. No plano estético, que ele exprimisse as características da história e da cultura organizacional da FAPESP: simplicidade, funcionalidade e eficiência, ao mesmo tempo se constituindo em um fato artístico e cultural relevante.Foram classificados, respectivamente do 1º ao 5º lugar, os projetos dos arquitetos Hector Vigliecca Gani, Tito Lívio Frascino, Valéria Cássia dos Santos, Marcos de Azevedo Acayaba e Cláudio Diaféria. Receberam menção honrosa os projetos dos arquitetos Alfredo Del Bianco, Marcelo Dias Couto, Ciro Felice Pirondi, Marta Vieira Bogéa e Gabriel Kalili.

Republicar