Imprimir PDF

Prêmio

Maior premiação do país

FCW dá R$ 100 mil líquidos aos vencedores de cada categoria

A escultura de Vlavianos é dada aos vencedores em Ciência Geral, Medicina, Ciência Aplicada ao Campo, Ciência Aplicada ao Meio Ambiente, Ciência Aplicada à Água, Literatura e Arte

MIGUEL BOYAYANA escultura de Vlavianos é dada aos vencedores em Ciência Geral, Medicina, Ciência Aplicada ao Campo, Ciência Aplicada ao Meio Ambiente, Ciência Aplicada à Água, Literatura e ArteMIGUEL BOYAYAN

A cada edição do Prêmio FCW e Arte, Ciência e Cultura, a fundação vem aperfeiçoando seu formato para torná-lo mais interessante e cobrir eventuais cunas. Na quarta edição, de 2005, cuja cerimônia de entrega dos prêmios ocorreu em 12 de junho de 2006, na categoria Arte, repetiu-se a homenagem da FCW ao fotógrafo publicitário e às agências de publicidade às quais as fotos se vincularam – um diploma de honra ao mérito às três agências vinculadas aos três primeiros colocados. O Prêmio de Ciência, nas suas cinco modalidades, foi conferido apenas a pessoas naturais, reservando-se para outro exercício a avaliação dos nomes de pessoas jurídicas eventuais indicadas. Nesse sentido não se repetiu o fenômeno de 2004, quando duas instituições receberam prêmio.

Na galeria de laureados pelo Prêmio FCW observa-se uma profusão de talentos brasileiros. Na primeira edição, em 2002, os prêmios na área de ciência foram distribuídos por meio de concurso nas escolas da rede pública de São Paulo. A FCW distribuiu 18 computadores e R$ 150 mil entre as escolas, professores e alunos premiados. Na área de literatura foram premiados três autores inéditos, selecionados por críticos literários entre 94 concorrentes: Noêmia Sartori Ponzeto, Maria Filomena Bouissou Lepecki e Santiago Nazarian. O prêmio foi a edição do livro inédito de cada um, com tiragem de 2 mil exemplares, com noite de autógrafo no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo. O prêmio de Arte foi conferido aos fotógrafos Klaus Werner Mitteldorf, Maurício Salomão Nahas Filho, Allard Willen Meindert van Wielink.

Na segunda edição, em 2003, a premiação adquiriu novo formato para destacar o trabalho de pesquisadores vinculados a universidades e institutos de pesquisa. O prêmio foi dividido em seis categorias: Ciência Geral (Carlos Henrique de Brito Cruz foi o ganhador), Ciência Aplicada ao Meio Ambiente (Philip Martin Fearnside), ao Campo Qairo Vidal Vieira), ao Mar (Dieter Carl Ernst Heino Muehe), Medicina (Maria Inês Schmidt) e Literatura (Lia Luft). Na categoria Arte ganharam os fotógrafos Bob Wolfenson, Leonardo Martins Vilela e Márcia Ramalho.

Para ampliar a participação dos cientistas, a FCW firmou acordo com entidades de fomento à ciência e tecnologia, entre elas a FAPESP,que passou a integrar a comissão de organização e avaliação das candidaturas. Os vencedores de cada categoria recebem um prêmio no valor de R$ 100 mil líquidos – o maior já conferido por uma instituição brasileira – e uma escultura de Vlavianos. A lista com o nome dos indicados foi submetida à avaliação de um júri formado por entidades parceiras da FCW. A partir do apoio da FAPESP, formou-se uma Comissão ]ulgadora constituída por oito entidades parceiras: ABC, ABL, Capes, CNPq, CTA, FAPESP, FCW e SBPC.

Em 2004, na terceira edição, ampliou-se para um total de 140 o universo das entidades convidadas a apresentar nomes-candidatos ao prêmio.

Foram vencedores: o bíoquímico Isaias Raw, presidente da Fundação Butantan, em Ciência Geral. César Gomes Victora, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), em Medicina. Na categoria Ciência Aplicada à Água ganhou o almirante Alberto dos Santos Franco, especialista na análise e previsão das marés. Em Ciência Aplicada ao Campo, o escolhido foi o Instituto Agronômico, de Campinas (IAC). O Museu Paraense Emílio Goeldi, de Belém, foi o premiado em Ciência Aplicada ao Meio Ambiente. Ferreira Gullar, poeta maranhense radicado no Rio de Janeiro, foi o laureado em Literatura. Por fim, os premiados na categoria Arte (Foto Publicitária) foram os fotógrafos Ricardo Cunha, em primeiro lugar, Paulo Vainer, em segundo, e Felipe Hellmeister, em terceiro.

Em 2005, na quarta edição apresentada nas páginas desta revista, o médico e cientista Wanderley de Souza, da UFRJ, recebeu o Prêmio FCW de Ciência Geral. Adib jatene, do Hospital do Coração, foi o premiado em Medicina. Na categoria Ciência Aplicada à Água ganhou José Galizia Tundisi, do Instituto Internacional de Ecologia e Gerenciamento Ambiental de São Carlos. Em Ciência Aplicada ao Campo, o escolhido foi Luiz Carlos Fazuoli, pesquisador do café do IAC. Aziz Nacib Ab’Sáber, da USP foi o premiado na categoria Ciência Aplicada ao Meio Ambiente. Fábio Lucas, crítico literário da Academia Mineira de Letras, foi o laureado em Literatura. Os premiados na categoria Arte (Foto Publicitária) foram os fotógrafos Maurício Nahas, em primeiro lugar, Andréas Heiniger, em segundo, e Gustavo Rodrigues de Lacerda, em terceiro.

Republicar