RESENHAS

Print Friendly

Vertentes do medo, na saúde e na doença

As doenças e os medos sociais | Yara Nogueira Monteiro e Maria Luiza Tucci Carneiro (orgs.) | FAP-Unifesp Editora, 432 páginas, R$ 60,00

MARIA GABRIELA S. M. C. MARINHO | ED. 216 | FEVEREIRO 2014

 

Resenha_doencasAs doenças e os medos sociais é um livro que merece ser lido, consultado e indicado. Organizado por Yara Nogueira Monteiro, pesquisadora do Instituto de Saúde (SES-São Paulo), e pela professora Maria Luiza Tucci Carneiro (FFLCH-USP), a obra é uma coletânea de 16 artigos distribuídos em quatro seções. Produzida por pesquisadores de diferentes instituições, a edição compõe o catálogo da Editora Fundação de Apoio da Universidade Federal de São Paulo (FAP-Unifesp).

O livro é resultado de um seminário promovido em 2009 pelo Laboratório de Estudos sobre Etnicidade, Racismo e Discriminação da Universidade de São Paulo (LEER-USP) – centro multidisciplinar de pesquisa criado em 2005 que se organiza em torno de diferentes núcleos.  O Núcleo de Estudos sobre Discriminação promoveu o seminário que originou o livro. Com o propósito de relacionar as doenças, os aparatos de saúde, as intervenções estatais e paraestatais com o preconceito e a discriminação oriundos do temor provocado pela disseminação e contágio de males desconhecidos – ou insuficientemente controlados –, a obra reproduziu e ampliou a participação dos pesquisadores naquele seminário.

Em razão do formato original, a publicação não oferece um tratamento estrito dos medos sociais relacionados com as doenças, mas um conjunto de proposições analíticas que convergem ou tangenciam a temática anunciada. A diversidade e amplitude de autores asseguram a variedade dos temas e das abordagens, mas evidenciam também uma acentuada assimetria na densidade dos artigos. A transposição imprimiu certa ambiguidade e tensão ao resultado. Ainda que a obra em seu conjunto mantenha relevância e interesse, alguns capítulos teimam em escapar da temática proposta em direção às áreas de pesquisa nas quais os autores firmaram suas trajetórias acadêmicas.

A ambiguidade mencionada pode ser verificada pela presença de conteúdos que não são exatamente inéditos, mas que, ainda assim, propiciam releituras pertinentes e bem-vindas.  Para acomodar capítulos que não tratam exatamente dos medos e das doenças, mas de questões paralelas e relevantes para a pesquisa em saúde, as organizadoras adotaram recursos engenhosos na edição do material.  Destinaram a última seção Fontes para a História das Doenças aos artigos que identificam e discutem instituições, acervos e projetos relacionados com a institucionalização e disponibilização de documentos para a pesquisa na área da medicina, saúde, instituições e práticas médicas, de cura e cuidado.

Em meio a artigos de grande interesse, entre os quais a excelente abordagem de Ana Maria Galdini Raimundo Oda, que traça o percurso do banzo no capítulo “Escravidão e nostalgia no Brasil: o banzo”, emergem aspectos que, se não comprometem, de certo modo fragilizam a qualidade do conjunto.  Trata-se, no caso, da ausência de imagens nos dois capítulos inseridos na parte inicial do livro, O Imaginário sobre a doença. Ambos constroem suas análises a partir de objetos imagéticos: a charge e as artes visuais na expressão de ex-votos e da pintura de A virgem e o menino.  Nos capítulos “Doença e medo: charges, sentidos e poder na sociedade midiática”, de Nilson Alves de Moraes, e “Arte e doença: imaginário materializado”, de Maria Izabel Branco Ribeiro, os leitores são privados da substância que compõe a análise, ou seja, as imagens. A omissão se torna uma lacuna praticamente imperdoável quando se confrontam a qualidade geral da edição e o ótimo projeto gráfico desenvolvido.

As organizadoras foram hábeis na caracterização das seções que subdividem a coletânea. Além das partes mencionadas, encontram-se ainda as seções Doenças e medos na formação da sociedade brasileira e A difusão dos medos.  Ao longo das subdivisões, se alinham trabalhos com novas temáticas, como o capítulo do experiente historiador José Carlos Sebe Bom Meihy, “O caminho do medo: apagamento das raízes brasileiras do debate sobre o tabaco”. Outros pesquisadores igualmente experientes retomam seus repertórios de pesquisa, como Cláudio Bertolli, André Mota, Rita de Cássia Marques, Beatriz Kushnir e Yara Maria Aun Khoury. Amparados pela competência habitual, atualizaram ou amplificaram suas abordagens e contribuíram para qualificar a obra como referência no campo da história social da saúde, da medicina, da cura e do cuidado.

Maria Gabriela S.M.C. Marinho é doutora em história social e docente da Universidade Federal do ABC (UFABC), onde coordena o Núcleo de Ciência, Tecnologia e Sociedade. Atua também como pesquisadora associada do Museu Histórico da Faculdade de Medicina da USP.


Matérias relacionadas

MARIA DE FÁTIMA ANDRADE
Poluição do ar na cidade de São Paulo diminuiu nos últimos 30 anos
PESQUISA BRASIL
Sapo surdo, qualidade do ar, galhas no pampa gaúcho e acesso aberto
RESENHA
Dicionário de história da África – Séculos VII a XVI | Nei Lopes e...