EDITORIAL

Print Friendly

Para ajudar quem está vivo

NELDSON MARCOLIN - EDITOR CHEFE | ED. 229 | MARÇO 2015

 

Um aparelho de ressonância magnética a ser inaugurado na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) neste mês representa um estímulo extra aos que estudam a saúde humana. Com o novo equipamento, será possível ter um nível de sensibilidade e detalhamento extraordinário para se obter informações estruturais e funcionais do corpo. A máquina, que será usada principalmente em cadáveres, entusiasma os pesquisadores da área médica pelo leque de possibilidades que oferece à investigação científica.

O laboratório em que está instalado o Magnetom 7T MRI é a Plataforma de Imagem na Sala de Autópsia (Pisa) e foi construído no subsolo da FM-USP. É o primeiro equipamento de ressonância magnética da América Latina para corpo inteiro com campo de 7 Tesla, que produz imagens melhores que as máquinas convencionais. À primeira vista, o fato de a máquina não estar liberada para uso clínico pode causar certa estranheza. No entanto, é precisamente a pesquisa em cadáveres que fará avançar as ciências que tratam da saúde humana. O equipamento deverá melhorar o diagnóstico por imagem, levar à criação de novas abordagens para o estudo de doenças, permitir autópsias minimamente invasivas e aprimorar setores do ensino médico.

Na cidade de São Paulo são realizadas 14 mil autópsias por ano relativas a mortes naturais, o que faz do Serviço de Verificação de Óbitos da Capital (SVOC) o maior do gênero no mundo. A USP é a mantenedora do SVOC. A aquisição do Magnetom 7T MRI ocorre em um ambiente fértil para pesquisas com mortos cujo objetivo primordial é entender o organismo dos vivos. Na reportagem de Fabrício Marques (página 14) estão todos os detalhes dos principais usos potenciais da máquina e o passo a passo de sua delicada instalação no subsolo da Faculdade de Medicina.

Entre as várias reportagens desta edição que me chamaram a atenção destaco mais duas. Em tempos difíceis é comum ouvir, quase como um consolo, que a adversidade traz consigo oportunidades. No caso da crise hídrica que atinge os estados do Sudeste, essa sentença tornou-se verdadeira – pelo menos para a irrigação. Pesquisas independentes das três universidades estaduais paulistas e da Embrapa Informática Agropecuária, de Campinas, mostraram que o uso do esgoto doméstico tratado para irrigação,pode ser uma alternativa para o campo porque diminui a retirada de água limpa dos mananciais e economiza fertilizantes. A reportagem de Evanildo da Silveira (página 64) relata como ocorreram esses trabalhos em comum, que se tornam mais significativos quando sabemos que, no Brasil, 72% da água é usada no campo.

Outro destaque desta edição refere-se à coincidência entre o entrevistado do mês e uma reportagem sobre um de seus trabalhos recém-publicados. Carlos Fioravanti entrevistou o químico Etelvino Bechara (página 22) e, quando o texto já estava finalizado, foi avisado por ele que deveria sair um artigo científico na revista Science de 19 de fevereiro. Nesse estudo, Bechara e sua aluna de doutorado Camila Mano, em colaboração com pesquisadores do exterior, mostravam como o DNA poderia ser danificado mais de três horas após a exposição direta à luz do sol. Fioravanti pediu o artigo e escreveu também a reportagem (página 62). Foi uma boa oportunidade para o serviço completo: a entrevista com a trajetória do cientista e o relato sobre seu trabalho mais recente.


Matérias relacionadas

RUI SEABRA FERREIRA JÚNIOR
Brasil se destaca em número de publicações científicas de acesso aberto
GILSON MOREIRA
Larvas induzem planta do Pampa gaúcho a produzir galhas
MARIA DE FÁTIMA ANDRADE
Poluição do ar na cidade de São Paulo diminuiu nos últimos 30 anos