TECNOCIÊNCIA

Print Friendly

Biodiesel de moringa

ED. 231 | MAIO 2015

 

Extrato das folhas da Moringa oleifera serve como aditivo antioxidante

Extrato das folhas da Moringa oleifera serve como aditivo antioxidante

O óleo das sementes da Moringa oleifera, árvore originária da Índia e comum no Nordeste do Brasil, pode ser usado na produção de biodiesel, e o extrato de suas folhas, na produção de aditivos antioxidantes que retardam a degradação química do combustível. A conclusão é de pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Minas Gerais. Em um estudo publicado na revista Fuel de 15 de abril, eles produziram biodiesel de moringa com propriedades físico-químicas dentro das especificações dos órgãos regulatórios. O biodiesel de moringa apresentou uma estabilidade oxidativa superior à da maioria dos combustíveis produzidos no país. A estabilidade oxidativa refere-se ao período em que ele consegue manter certas propriedades antes de se degradar. Essa reação química, chamada de oxidação, leva à produção de compostos que podem corroer as peças do motor e obstruir o sistema de injeção. Assim, quanto mais um combustível demora para oxidar, melhor a sua qualidade e eficiência. No estudo, os pesquisadores adicionaram um extrato da folha da árvore a amostras de biodiesel feitas de soja, milho, canola e girassol. Com isso aumentou a estabilidade oxidativa desses combustíveis. “Nossos resultados evidenciam o potencial antioxidante do extrato das folhas da M. oleifera como aditivo para biodiesel”, diz o químico Rodrigo Muñoz, autor principal do estudo.


Matérias relacionadas

BOTÂNICA
Estudo sugere estrutura da flor que deu origem às angiospermas atuais
AMBIENTE
Estratégias para monitorar as áreas arborizadas das cidades
ENGENHARIA FLORESTAL
Visão artificial revela a qualidade da madeira e a espécie da árvore