TECNOCIÊNCIA

Print Friendly

Caminhando e conversando

ED. 233 | JULHO 2015

 

Tecnociencia_Japão jpgUm passatempo agradável, observar como as pessoas caminham pela rua, também pode ser útil para projetar espaços públicos mais seguros e agradáveis. Francesco Zanlungo, Dražen Brščić e Takayuki Kanda, do Instituto Internacional de Pesquisa em Telecomunicações Avançadas, em Kyoto, Japão, registraram durante um ano a passagem de milhares de pessoas por um corredor de 3 metros de largura em um edifício comercial em Osaka, Japão. Seu objetivo era descobrir como a velocidade com que as pessoas atravessavam o corredor mudava se andavam em grupos de duas ou três pessoas conversando entre si. Também queriam saber se a velocidade mudava quando as pessoas andavam afastadas ou próximas umas das outras. A partir de 800 horas de dados registrados por câmeras e sensores de movimento, a equipe analisou e comparou em detalhe as caminhadas de 3.305 duplas e 602 trios. Verificaram o que outros estudos semelhantes já detectaram: independentemente do espaço entre as pessoas, trios tendem a andar mais devagar que duplas, e sempre com uma das pessoas à frente, com o grupo formando um “V” de ponta cabeça (Physical Review E, 19 de junho). Os pesquisadores suspeitam que essas regularidades tenham a ver com o conflito entre manter uma conversa ao mesmo tempo que o grupo precisa se mover e prestar atenção aos obstáculos no caminho.


Matérias relacionadas

ARTE
Conheça os ensaios fotográficos dos premiados na categoria Arte
ASTRONOMIA
Colisão de estrelas de nêutrons inaugura nova era na astronomia
NOBEL DE FÍSICA
Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne dividem o prêmio