TECNOCIÊNCIA

Print Friendly

Hidrogênio a partir de etanol

ED. 234 | AGOSTO 2015

 

Em grande escala: leveduras fermentam o caldo de cana para produzir etanol

Em grande escala: leveduras fermentam o caldo de cana para produzir etanol

Os automóveis talvez possam um dia rodar com hidrogênio produzido a partir de cana-de-açúcar. Tudo depende, porém, de tornar mais eficiente a reação química que extrai do etanol o gás hidrogênio, normalmente fabricado a partir de gás natural. A mesma reação também produziria acetaldeído e acetato de etila, dois compostos solventes valorizados por diversas indústrias e normalmente fabricados a partir do petróleo. Os químicos já sabem que essa reação acontece mais rápido e gasta menos energia quando o etanol é colocado em contato com um material poroso feito de alumina (um tipo de óxido de alumínio) e cobre. Agora, um grupo de pesquisadores liderados por Leandro Martins, do Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Araraquara, verificou que a reação se passa de modo ainda mais eficiente quando parte do cobre misturado à alumina é oxidada. Martins e seus colegas de instituto, Sandra Pulcinelli e Celso Santilli, chegaram ao resultado em parte graças às análises da estrutura cristalina de vários tipos de materiais de alumina porosa com cobre, realizadas por Aline Passos, Amélie Rochet e Valérie Briois, usando a fonte de luz síncrotron Soleil, na França. “Assim podemos produzir a partir do etanol outros produtos de valor comercial maior que o álcool, usando metais relativamente baratos como o cobre”, explica Wellington Cassinelli, que faz pós-doutorado com Santilli. Cassinelli é o primeiro autor do artigo descrevendo a pesquisa, publicado com destaque de capa pela ChemCatChem, uma das principais publicações da área de catálise química.


Matérias relacionadas

FÍSICA
Modelos matemáticos ajudam a entender como falhas causam blecautes
HISTÓRIA
Pequenas companhias criadas no século XIX formaram o setor elétrico paulista
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
Plano de Ação norte-americano não menciona papel de energias renováveis