EDITORIAL

Print Friendly

Universidades e empresas

ALEXANDRA OZORIO DE ALMEIDA - DIRETORA DE REDAÇÃO | ED. 234 | AGOSTO 2015

 

A interação entre universidades e institutos de pesquisa é um tema presente em várias reportagens desta edição. A ideia de que essa interação é inexistente ou insuficiente permeia há tempos o debate no Brasil, e reportagem sobre dois livros recentemente publicados, que comparam o país com outras nações em desenvolvimento, indica que as relações formais entre as instituições de pesquisa e o setor privado crescem e se consolidam. O Brasil ainda está longe do patamar de Coreia do Sul ou China, mas a análise dos resultados apresentados contradiz o senso comum de que a pesquisa científica tem pouco impacto no desenvolvimento econômico do país. Considerando-se ainda que as pesquisas retratadas não contemplam interações como consultorias e contratos individuais de prestação de serviços por pesquisadores, muitos dos quais realizados por meio das fundações universitárias, o cenário é bem diferente do que tem sido propagado.

Duas reportagens exemplificam interações bem-sucedidas entre o setor privado e a academia. A que está na capa aponta que uma das origens das empresas que compõem a significativa indústria nacional de pequenos aviões são as universidades e instituições de pesquisa e mostra como muitas trabalham em conjunto com esses organismos no desenvolvimento de inovações para seus produtos. Outra reportagem registra o primeiro grande sucesso de uma empresa brasileira de biotecnologia, a Recepta, que licenciou para uma empresa norte-americana a propriedade intelectual para o desenvolvimento de um medicamento contra câncer. A Recepta desenvolve seus produtos, os anticorpos monoclonais, em parceria com instituições como o Instituto Ludwig de Pesquisas contra o Câncer, de Nova York, a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e o Instituto Butantan, com o apoio de agências como a FAPESP, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Um exemplo de interação em sentido inverso, na qual a instituição pública solicita a contribuição da iniciativa privada para executar um projeto, é retratado na reportagem sobre o anel de luz síncrotron Sirius. O Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) selecionou, em parceria com a FAPESP e a Finep, oito empresas para enfrentar 13 desafios científicos e tecnológicos relacionados à empreitada.

A superação de obstáculos científicos, técnicos e também políticos é contada em reportagem sobre o feito da sonda New Horizons, que chegou a Plutão após nove anos de viagem. A repercussão pela mídia internacional do sucesso da missão não exime Pesquisa FAPESP de registrar o feito e discutir o que se pode esperar em termos de avanço do conhecimento sobre os recantos do nosso Sistema Solar com os dados sendo transmitidos pelo equipamento.

O ofício da comunicação da ciência, ou o jornalismo científico, que se propõe a discutir e divulgar os resultados das pesquisas científicas e tecnológicas e seus processos de criação, é objeto de uma série que marca os 20 anos do primeiro boletim Notícias FAPESP, publicação que, após 46 edições, deu origem a esta revista. A primeira reportagem apresenta o perfil de dois pioneiros nessa área, Júlio Abramczyk e José Hamilton Ribeiro. Aos pesquisadores, cuja produção é o alicerce do nosso trabalho, e aos leitores da Pesquisa FAPESP, nosso muito obrigada.


Matérias relacionadas

BIODIVERSIDADE
Pequenas variações genéticas alteram cor das penas de aves
ZIKA
Análise indica que vírus provavelmente entrou no Brasil em 2014
Folheie a edição 255