CARTAS

Print Friendly

Cartas | 243

ED. 243 | MAIO 2016

 

Eunice Durham
A entrevista com Eunice Durham (edição 242) é rica em vários aspectos. Em tempos de conflitos quanto aos refugiados na Europa, é importante sua rememorização do estudo da imigração italiana no Brasil, revivendo a saga de muitas famílias brasileiras, como a minha. Também é um alento a discussão sobre a burocratização da função do professor. Por fim, ainda há vozes que discutem este nosso modelo de universidade, que não tem considerado a evolução dos últimos anos, com a implantação de sistemas federais mistos, técnicos e tecnológicos, por exemplo.

Adilson Roberto Gonçalves
Campinas, SP

***

Parabéns pela entrevista com Eunice Durham. Para nós, jovens docentes, é sempre muito rico compreender a trajetória de professores que nos representam com excelência em órgãos da área de ensino e pesquisa.

Grace Gomes
São Carlos, SP

***

Instituto XY
Extraordinária iniciativa de apoio à ciência exemplarmente posta em prática por João e Branca Moreira Salles (“Apoio privado à ciência”, edição 242). Merece todo apoio da comunidade acadêmica brasileira. Eis um exemplo a ser seguido.

Antonio Dimas
Instituto de Estudos Brasileiros/USP

***

Cana-de-açúcar
Sobre a reportagem “As boas novas da cana-de-açúcar” (edição 239), tenho a dizer que minha dissertação de mestrado, defendida em dezembro de 2014 na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, indica que nas regiões agrícolas mais recentes no cultivo de cana (no caso do estudo, a região de Presidente Prudente, no oeste paulista) houve um aumento expressivo na extensão e no volume dessa cultura coletada com o método de queimada, entre 2008 e 2011, no período em que o Protocolo Agroambiental estava em vigência. Os agravos à saúde afetaram diretamente a população de menores de 5 anos, conforme as conclusões de minha pesquisa.

Paulo Eduardo Alves Camargo-Cruz
Sorocaba, SP

***

Maternidade
Que horror as crianças vivendo no ambiente de presídio (“A maternidade na prisão”, edição 241). Deveriam haver medicamentos disponíveis para a mulher não engravidar no período em que estiver presa. Deve-se buscar medidas que não venham a prejudicar mães e filhos.

Irani Almeida
Via Facebook

***

Colaboração
Já estamos na era em que a distância não deveria ser limitante. Este ainda é um dos aspectos a amadurecer na pesquisa brasileira (“A importância de estar presente”, edição 241).

Emerson Carraro
Via Facebook

***

Correções
Na reportagem “Laboratório paulista” (edição 242) foi inadvertidamente omitida a criação da Faculdade de Medicina de Sorocaba, fundada em 1950, nome original da atual Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (FCMS-PUC).

Na nota “Apoio privado à ciência”, publicada na seção Estratégias (edição 242), os R$ 20 milhões mencionados correspondem ao orçamento anual do Instituto XY, e não à doação total feita por João e Branca Moreira Salles, como foi
publicado.

***

Cartas para esta revista devem ser enviadas para o e-mail cartas@fapesp.br ou para a rua Joaquim Antunes, 727, 10º andar – CEP 05415-012, Pinheiros, São Paulo-SP. As cartas poderão ser resumidas por motivo de espaço e clareza.


Matérias relacionadas

FINANCIAMENTO
FAPESP lança edital de apoio à modernização de institutos de pesquisa
DIOGO SOUTO
Astrônomo comenta a análise da composição química da estrela Kepler-186
ADILSON MOTTER
Físico conta como modelos matemáticos ajudam a diminuir o risco de blecaute