NOTÍCIAS

Print Friendly

Inibição de proteína pode interromper progressão de câncer de pulmão

Estudo, com participação de brasileira, sugere nova estratégia no tratamento desse tipo de tumor

RODRIGO DE OLIVEIRA ANDRADE | Edição Online 17:41 3 de agosto de 2016

 

Revista Pesquisa FAPESP
Podcast: Daniela Sanchez Basséres
Um grupo internacional de pesquisadores, com a participação da bióloga Daniela Sanchez Bassères, professora do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (IQ-USP), identificou um mecanismo molecular que pode ser importante para o desenvolvimento de um tratamento para o câncer de pulmão de células não pequenas, subtipo de tumor que representa cerca de 85% de todos os casos da doença nesse órgão e mata anualmente cerca de 1 milhão de pessoas no mundo. Eles analisaram amostras de tecido tumoral de 490 indivíduos com esse tipo de câncer e encontraram, na maior parte dos casos, uma baixa expressão (ativação) do fator de transcrição C/EBPα, proteína associada à supressão de tumores, e uma superexpressão da BMI1, proteína oncogênica associada à proliferação celular.

Em experimentos adicionais com linhagens celulares humanas e em tumores pulmonares gerados em camundongos, os pesquisadores concluíram que esses dois eventos estão geralmente correlacionados: a diminuição ou perda de expressão do C/EBPα está quase sempre ligada ao aumento na ativação da BMI1. Além disso, o uso de estratégias de manipulação genética para reduzir a quantidade da proteína BMI1 impediu o crescimento de tumores pulmonares em camundongos. Esses indícios os levaram a administrar um composto, ainda em fase de testes, em camundongos com câncer de pulmão induzido para verificar seus possíveis efeitos. Chamado PTC-209, o candidato a fármaco conseguiu inibir a expressão da BMI1 e, provavelmente por esse motivo, interrompeu o crescimento do tumor nos animais com baixa expressão do fator de transcrição. “A inibição dessa proteína pode vir a se tornar uma estratégia terapêutica promissora para tratar o câncer de pulmão”, diz Daniela. Os resultados do trabalho, coordenado por Elena Levantini, da Escola Médica de Harvard, foram publicados nesta quarta-feira, 3, na revista Science Translational Medicine.

Há algum tempo sabe-se que o fator de transcrição C/EBPα age na regulação da expressão de genes e no processo de diferenciação celular, além de interromper, quando necessário, a mitose celular. Por isso, essa proteína é considerada uma importante supressora de tumores. O problema, segundo Daniela, é que sua função protetora em geral é anulada em vários tipos de câncer, como leucemia mielóide aguda, tumores de próstata, hepáticos e de pulmão. Apesar de os mecanismos por meio dos quais o C/EBPα parece regular a expressão da BMI1 ainda permanecerem desconhecidos, a ação de um inibidor da ação da proteína oncogênica está sendo avaliada em pacientes com tumores sólidos graves desde o ano passado nos Estados Unidos e no Canadá em um estudo clínico de fase 1.

Artigo científico
YONG, K. J. et al. Targeted BMI1 inhibition impairs tumor growth in lung adenocarcinomas with low CEBPα expression. Science Translational Medicine. v. 8, nº 350, p. 1-11. 3 ago 2016.


Matérias relacionadas

NOBEL DE QUÍMICA
Técnica permite enxergar moléculas em 3D com resolução atômica
FERTILIDADE
Número de espermatozoides produzidos pelos homens cai à metade em 40 anos
ALINE MARIA DA SILVA
Vírus destroem bactérias e ajudam a combater doenças