Open Science: o futuro da ciência e o desastre de Mariana | 12.08.2016

 

O Grupo Independente para Análise do Impacto Ambiental (Giaia) realiza expedições com o objetivo de coletar e analisar amostras da lama com rejeitos de mineração que atingiu o rio Doce após o rompimento da barragem da Samarco, em novembro de 2015, e estimula não cientistas a contribuírem com amostras. Apostando no conceito de ciência aberta, os resultados das viagens são divulgados em tempo real nas redes sociais e no site da organização, permitindo que a população acompanhe o avanço das análises. No vídeo, pesquisadores comentam como o grupo surgiu e algumas consequências do desastre.

videos
 19/06/2017
Finalistas do Famelab falam sobre a importância de aproximar a ciência do público
 12/06/2017
Cassius Stevani, do Instituto de Química da USP, fala sobre a bioluminescência
 29/05/2017
Como a fotografia moldou a forma de ver o mundo
 15/05/2017
Cultura 3D preserva função das células em laboratório
 03/05/2017
Descoberta de novos acervos revaloriza o barroco paulista
 17/04/2017
Laser aleatório permite o desenvolvimento de laboratórios compactos
 03/04/2017
Mapa mostra distribuição da capacidade científica no estado de SP
 20/03/2017
Região da amígdala controla o comportamento agressivo do predador
 07/03/2017
Conheça a ciência por trás dos processos de produção da cerveja
 21/02/2017
Grupo busca identificar desaparecidos políticos entre ossadas de Perus
 06/02/2017
Técnica ajuda dependentes a evitar o consumo do crack
 23/01/2017
Antropólogo fala sobre desmatamento na Amazônia
 10/01/2017
Improvisação livre valoriza a criatividade dos intérpretes
 26/12/2016
Aranha-gigante despeja sobre suas presas suco que inicia a digestão
 12/12/2016
Os impactos da má alimentação de crianças e adolescentes
Anteriores