TECNOCIÊNCIA

Print Friendly

Esperança de vida extraterrestre

ED. 247 | SETEMBRO 2016

Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Share on FacebookShare on LinkedIn

 

Concepção artística do planeta Proxima Centauri b, semelhante à Terra, que orbita a estrela Proxima Centauri

Concepção artística do planeta Proxima Centauri b, semelhante à Terra, que orbita a estrela Proxima Centauri

Um planeta recém-descoberto é o mais novo foco das buscas por vida fora da Terra. Batizado de Proxima Centauri b, foi descrito por uma equipe internacional liderada pelo astrofísico Guillem Anglada-Escudé, do Queen Mary College da Universidade de Londres, e tem uma massa apenas ligeiramente maior que a da Terra (Nature, 25 de agosto). O planeta leva pouco mais de 11 dias para completar uma volta em torno de sua estrela, a Proxima Centauri, a mais próxima do Sol, e poderia ser alcançado em cerca de 20 anos por uma nave que viajasse a uma velocidade correspondente a 20% da velocidade da luz. Essa estrela faz parte de uma família classificada como anãs M, muito estudada porque seus planetas podem ser detectados quando, pela atração gravitacional, causam uma irregularidade no movimento da estrela que orbitam. No caso de Proxima Centauri b, o efeito foi detectado pela equipe de Anglada-Escudé usando telescópios do Observatório Europeu do Sul (ESO), no Chile. O novo planeta está a uma distância de sua estrela em que a temperatura permitiria a existência de água líquida, característica considerada essencial para o surgimento e a evolução da vida. Resta saber se existe uma atmosfera e um campo magnético, como o da Terra, que protejam a superfície do planeta das explosões da Proxima Centauri e dos raios X que ela emite. Novos instrumentos, como o telescópio espacial James Webb, a ser lançado em 2018 pela agência espacial norte-americana (Nasa), podem contribuir para encontrar essas respostas.

Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Share on FacebookShare on LinkedIn

Matérias relacionadas

OBITUÁRIO
Pierre Kaufmann foi um dos precursores da radioastronomia no Brasil
VIRGO
O detector de ondas gravitacionais ainda não está operando
ASTRONOMIA
Emissão de partículas de luz extrai energia da camada mais externa do Sol