CARTAS

Print Friendly

Cartas | 248

ED. 248 | OUTUBRO 2016

 

Básica vs. aplicada
Muita tecnologia recente só pôde ser produzida a partir de teorias, conhecimentos e descobertas de tempos atrás (“Os impactos do investimento”, edição 246). Naquela época esse conjunto de achados científicos também poderia ser considerado “extravagante” sob a ótica do utilitarismo exacerbado.

Cristian Wening
Via facebook

***
Pesquisa básica é primordial para o desenvolvimento científico e tecnológico. É por meio do entendimento da base que podemos pensar na aplicabilidade. Além disso, o investimento em pesquisa científica constrói uma nação sustentável e desenvolvida.

Mayara Rodrigues Barbosa
Via facebook

***
Pesquisa básica, imaginação ilimitada!

Ricardo Lombardi
Via facebook

***
Pneus
Minha sugestão: vamos fazer piso com esse material (“Reciclagem de pneus”, edição 246). “Cerâmica” emborrachada para pavimentar parques infantis de praças públicas.

Eduardo Carvalho
Via facebook

***
Pequenas empresas
Existe vida inteligente fora da capital (“Terrenos férteis para inovação”, edição 246).

Felipe de Castro Lopes
Via facebook

***
Dengue no mundo
Terrível esta realidade na qual se gasta US$ 8,9 bilhões por ano para o “combate” da dengue quando sabemos que os investimentos em saneamentos são as únicas formas de resolver definitivamente esse grave problema (nota “O custo da dengue no mundo”, edição 246). Dengue e doenças similares devem ser combatidas com saneamento, educação e moradias de qualidade para as populações.

Roberto Barreto
Via facebook

***
Vídeos

Sobre o vídeo “Genética do esporte”, é a ciência trabalhando para o melhor desempenho físico e prescrição de treino.

William Braz Santos
Via facebook

***
Perfeito: perfil genético, individualidade e especificidade de treinamento.

Carla Ribeiro
Via facebook

***
Espero mesmo que seja possível utilizar essa tecnologia a partir do período escolar. Creio que ajudará várias crianças a encontrar uma atividade física apropriada.

Lucas Tavares
Via youtube

***
Ocultos, os fungos não deixam de ser patógenos perigosos, mas não recebem a devida atenção (vídeo “O ataque silencioso dos fungos”).

César Duleba
Via facebook

***
Infecções por fungos são seriíssimas e merecem mais pesquisas.

Jaquelini Ribeiro Dias
Via facebook

***
Um alerta aos órgãos públicos e à sociedade.

Fernando Pereira
Via facebook

***
Excelente o perfil de Guido Levi, pena que as pessoas não se interessem pelo assunto.

Abraão Caldas
Via youtube

***
Correções

Na reportagem “Simuladores para a medicina” (edição 247), o nome correto da neurocirurgiã pediátrica citada é Giselle Coelho e não Giselle Santos.

***
O pesquisador Daniel Hogan (1942-2010) foi sociólogo e demógrafo, e não geógrafo, como foi publicado na reportagem “Reflexões sobre a população”, na edição especial Unicamp 50 anos.

***
Cartas para esta revista devem ser enviadas para o e-mail cartas@fapesp.br ou para a rua Joaquim Antunes, 727, 10º andar – CEP 05415-012, Pinheiros, São Paulo-SP. As cartas poderão ser resumidas por motivo de espaço e clareza.


Matérias relacionadas

CAPA
Ressurge a cobrança pelo retorno do financiamento público de pesquisa
ENGENHARIA DE MATERIAIS
Dois projetos criam alternativas para o reaproveitamento da borracha
EMPREENDEDORISMO
Estudo aponta São Carlos como polo de pequenas empresas de base tecnológica
DENGUE
De acordo com estudo, doença gerou um gasto de US$ 8,9 bilhões em 2013
GENÉTICA
Mutações em certos genes podem aprimorar o rendimento esportivo
MEDICINA
Infecções fúngicas são resistentes a medicamentos usados para combatê-las
SAÚDE PÚBLICA
Infectologista comenta as causas e consequências da recusa à vacinação