Imprimir PDF

fosfoetanolamina sintética

Fosfoetanolamina não tóxica

Pílulas do composto: sem efeitos adversos

LÉO RAMOSPílulas do composto: sem efeitos adversosLÉO RAMOS

Depois de ser ministrada durante dois meses a um grupo de 10 pacientes com câncer, que participaram da primeira fase de testes clínicos em curso no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), a fosfoetanolamina sintética foi considerada uma substância segura, sem toxicidade significativa. Embora seis pacientes tenham abandonado o estudo devido à piora de sua condição clínica, o composto recebeu o sinal verde para ser testado em mais pessoas em uma segunda fase. “A avaliação dessa primeira etapa foi fundamental para assegurarmos que não havia risco de eventos adversos graves associados ao uso da substância”, explica o oncologista Paulo Hoff, diretor-geral do Icesp e coordenador dos testes. “A partir de agora, a pesquisa determinará se há eficácia da fosfoetanolamina, abrangendo um número maior de pacientes.” A próxima fase do estudo deverá durar seis meses e fornecerá subsídios sobre os efeitos, benéficos ou não, do uso do composto no tratamento de 10 tipos de tumores (cabeça e pescoço, pulmão, mama, cólon e reto, colo uterino, próstata, melanoma, pâncreas, estômago e fígado). Para cada tipo de tumor, o emprego da fosfoetanolamina será acompanhado em um grupo de 20 pacientes.