CAPA

Print Friendly

Um mapa do risco no mundo

Com exceção do Japão, os países pobres e em desenvolvimento são os mais vulneráveis a desastres naturais

MARCOS PIVETTA | ED. 249 | NOVEMBRO 2016

 

CAPA_Desastres_249_info MAPAPor estar sujeito a fortes terremotos e inundações causadas por tsunamis, o Japão é o único país desenvolvido que apresenta risco muito alto de ser afetado por cataclismos, segundo a edição de 2016 do World Risk Report, publicação organizada pela Universidade das Nações Unidas, agência alemã Alliance Development Works e Universidade de Stuttgart. A nação asiática figura na 17ª posição do índice mundial de risco a desastres, que classifica 171 países em função da possibilidade de serem alvo de cinco tipos de eventos extremos: secas, inundações, ciclones ou tempestades, terremotos e aumento do nível do mar.

O índice lista as áreas do globo em ordem decrescente de vulnerabilidade a desastres e os separa em cinco categorias. Cada uma delas é composta por 20% do total de países, que são classificados como sendo de risco muito alto, alto, médio, baixo ou muito baixo. O indicador final é calculado por meio da análise de 28 parâmetros geoclimáticos e socioeconômicos, como a quantidade de pessoas expostas a desastres, a renda e a educação da população, a capacidade de mitigar o impacto de eventos extremos e de se adaptar a mudanças.

Vanuatu, um pequeno arquipélago do Pacífico sul distante 1.700 quilômetros a leste da Austrália, com 250 mil habitantes, é o país mais arriscado do mundo, o número 1 do índice. Está sujeito a terremotos, ciclones e pode ser coberto pelas águas se o nível do mar aumentar. Isso sem contar o vulcanismo, que não entra no cálculo do índice. O segundo lugar é ocupado por Tonga, um arquipélago da Polinésia, e o terceiro, pelas Filipinas. O Haiti, onde o furacão Matthew matou 1.300 pessoas e desalojou 35 mil em outubro, aparece em 21º lugar da lista. O Brasil ocupa a 123ª posição e está classificado na categoria dos países de baixo risco, como os Estados Unidos, a Itália, a Argentina e o Reino Unido. “Nenhum índice baseado em desastres naturais é perfeito”, comenta Lucí Hidalgo Nunes, da Unicamp. “De acordo com as variáveis usadas e o peso dado a elas, as classificações mudam. Mas, certamente, o Brasil não é um dos países em pior situação.”


Matérias relacionadas

AMBIENTE
Mata Atlântica volta a crescer no Vale do Paraíba
MARIA DE FÁTIMA ANDRADE
Poluição do ar na cidade de São Paulo diminuiu nos últimos 30 anos
PESQUISA BRASIL
Sapo surdo, qualidade do ar, galhas no pampa gaúcho e acesso aberto