RESENHAS

Print Friendly

O trágico das relações raciais no Brasil

O intelectual feiticeiro: Edison Carneiro e o campo de estudos das relações raciais no Brasil | Gustavo Rossi | Editora da Unicamp | 280 páginas | R$ 48,00

LAURA MOUTINHO | ED. 250 | DEZEMBRO 2016

 

092_Resenha_FeiticeiroAngustiante, tocante e intrigante. Adjetivos extraídos da própria obra e manejados habilmente por Gustavo Rossi ao longo da análise da trajetória de Edison Carneiro (1912-1972) – que ilumina o preconceito e o trágico das relações raciais no Brasil – marcam a leitura desse livro imprescindível.

O retrato que vai se desenhando desde a introdução de O intelectual feiticeiro: Edison Carneiro e o campo de estudos das relações raciais no Brasil opera na gramática da perda e do dano, que se constrói na ausência da própria voz do personagem: o escritor, etnólogo e advogado Edison Carneiro não deixou material autobiográfico, apenas algumas poesias. Destas, o autor extrai o jogo dramático da classificação por cor/raça na Salvador da primeira metade do século XX. A morte precoce e o incêndio acidental que consumiu os escritos do intelectual, logo depois de seu falecimento, talvez sejam os responsáveis por mais esse apagamento.

O emaranhado do itinerário social e intelectual de Carneiro remete a outras trajetórias marcadas pela dor e pela exclusão, como a do escritor Lima Barreto, mais distante em termos históricos, e de outras mulheres negras e homens negros, com trajetórias igualmente trágicas, que tiveram destaque nas décadas de 1970 e 1980: Lélia González e Beatriz Nascimento, Eduardo de Oliveira e Oliveira são intelectuais e militantes que enfrentaram a morte precoce, o racismo, o sexismo e o trágico.

Essa combinação de marcadores da diferença não é autoevidente nem na vida de Carneiro nem na de outros intelectuais. A análise de Rossi permite que acompanhemos tanto o campo de manobras do escritor quanto seus limites e entraves, especialmente no que tange à questão racial que conspirou para a marginalidade, a subalternização e a falta de reconhecimento daquele que seu amigo Aydano do Couto Ferraz definiu como “uma vocação perdida” e um “talento desvirtuado”.

O trágico não se confunde com vitimismo. O literato frustrado na juventude é desenhado por Rossi em paralelo ao ambiente familiar sempre tumultuado, no qual raça e cor (negritude e mestiçagem, produzidas entre homens mais escuros e mulheres mais claras) foram manejadas com o auxílio de toda sorte de distinções. A participação no movimento Acadêmica dos Rebeldes, com suas experimentações políticas e estéticas, foi o momento em que sua adesão aos ideais de esquerda começa a brotar. Carneiro provocou tensões no campo dos estudos afro-brasileiros ao interpretar a obra de Nina Rodrigues, as religiões e culturas afro, tomando como base o materialismo histórico. Religiões que ele defendeu lutando pela liberdade de manifestações religiosas e argumentando em favor dos direitos de seus praticantes se organizarem civil, política e autonomamente.

Conspira de modo tenso nesse cenário tanto seu relacionamento amoroso e intelectual com a antropóloga norte-americana de origem judaica Ruth Landes (1903-1949), cujas teses elaboradas com seu auxílio contrariavam o mainstream da época, quanto as ambíguas relações com Arthur Ramos e Gilberto Freyre, que disputavam a hegemonia do campo intelectual daquele momento. A militância comunista diminuiu as chances de ingresso no magistério superior e ainda provocou prisões, difamações e perseguições.

O percurso do “intelectual desabrigado”, não assistido pelas instituições acadêmicas e associado a modelos de análise gastos, permite-nos entrever a força do racismo e os limites de seu espaço de manobra. Nesse sentido, o trabalho de Rossi vem contribuir de modo eloquente para o campo da antropologia, das relações raciais e daqueles que se dedicam às “aldeias arquivos” – na feliz expressão de Sérgio Carrara –, especialmente em um país que não diferenciou seus cidadãos constitucionalmente com base na cor/raça, mas onde a raça atuou e atua de forma contundente como um mecanismo de subalternização e exclusão. O momento atual ganha perspectiva quando comparado ao espaço intelectual marcado por extremadas demandas políticas e simbólicas, envolvendo status social, oligarquia de gênero e raça, ruínas financeiras e pobreza. A antropologia e a sociologia têm se beneficiado enormemente de análises desse tipo pela possibilidade de dar inteligibilidade aos mecanismos produtores da desigualdade racial e social no Brasil.

Laura Moutinho é professora do Departamento de Antropologia e do Programa de Pós-graduação em Antropologia da USP. É autora de Razão, cor e desejo: Uma análise dos relacionamentos afetivo-sexuais inter-raciais no Brasil e África do Sul (Editora Unesp, 2004), publicado graças ao prêmio Edusc\Anpocs de Melhor Tese de Doutorado de 2003.


Matérias relacionadas

HISTÓRIA
Em 130 anos de trajetória, IAC multiplicou suas áreas de interesse
PEDRO RIBEIRO
Livro retrata hábitos de uma família brasileira que vive no campo
MARIANA DE OLIVEIRA SOMBRIO
Historiadora fala sobre a trajetória da etnógrafa austríaca Wanda Hanke