FOTOLAB

Print Friendly

Rebuscado paladar

ED. 250 | DEZEMBRO 2016

 

003_Fotolab_250Um tubarão consegue detectar uma profusão de sabores no oceano e assim encontrar possíveis refeições. Isso é possível porque esses predadores contam com grande quantidade de papilas gustativas (azul-escuro) e dentículos (verde) que revestem a cavidade oral, como é o caso do tubarão-mako (Isurus oxyrhinchus), registrada em um microscópio eletrônico de varredura. O projeto coordenado pela veterinária Rose Eli Rici, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (USP), concentra-se em descrever essas estruturas em diferentes espécies de tubarão e buscar relações com a dieta e a ecologia de cada uma.

Imagem enviada por Bianca Rangel, estudante de mestrado no Instituto de Biociências da USP

Sua pesquisa rende fotos bonitas? Mande para imagempesquisa@fapesp.br Seu trabalho poderá ser publicado na revista.


Matérias relacionadas

ECOLOGIA
Poluição e redução da fauna estimulam ataques de tubarões a banhistas
ECOLOGIA
Estratégias para salvar as raias e os tubarões da costa brasileira
GENÉTICA
Análise consegue mapear a estrutura genética do tubarão-martelo