FOTOLAB

Print Friendly

Carnaval o ano todo

ED. 251 | JANEIRO 2017

 

003_Fotolab_251-4Comuns no litoral norte paulista, os camarões Hippolyte obliquimanus têm uma propriedade curiosa: se disfarçam. O biólogo Rafael Duarte documentou e quantificou a cor dominante do hábitat e dos animais por meio de fotografia digital e verificou que em poucos dias os camarões-vermelhos (à esq. na foto do alto) e castanhos (embaixo, à esq.) mudam sua cor de acordo com a coloração do banco de algas no qual estão (BMC Evolutionary Biology, 18 de outubro), uma estratégia de camuflagem. Os espécimes transparentes rajados (à dir. no alto e embaixo) do camarão-carnavalesco, como ficou apelidado, não parecem ser tão afeitos a fantasias: não mudaram de cor nos cinco dias de duração dos experimentos feitos no Centro de Biologia Marinha da Universidade de São Paulo (CEBIMar-USP).

Imagens enviadas por Rafael Duarte, estudante de doutorado no campus de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

Sua pesquisa rende fotos bonitas? Mande para imagempesquisa@fapesp.br Seu trabalho poderá ser publicado na revista.


Matérias relacionadas

CASSIUS STEVANI
Químico explica as reações responsáveis pela bioluminescência em cogumelo
DIVA DENELLE SPADACCI MORENA
Glândula na ponta dos espinhos produz o veneno da lagarta-de-fogo
PESQUISA BRASIL
Greening, preprint, chip e bioluminescência