NOTAS

Print Friendly

Como aves, insetos migram sazonalmente

ED. 251 | JANEIRO 2017

 

Cerca de 3,5 trilhões de insetos cruzam anualmente os céus do Sul do Reino Unido

Cerca de 3,5 trilhões de insetos cruzam anualmente os céus do Sul do Reino Unido

Uma movimentação significativa de seres vivos, que ocorre entre 120 metros e 1,2 quilômetro de altura, passa praticamente despercebida acima da cabeça dos britânicos. Trata-se de nuvens de insetos, pequenos e grandes, que, como aves migratórias, cruzam periodicamente o território do sul do Reino Unido ao sabor das estações. Com o emprego de medições feitas com radares e amostras coletadas em balões, cientistas chineses, israelenses e britânicos estimaram que cerca de 3,5 trilhões de insetos sobrevoaram anualmente o Sul do Reino Unido entre 2000 e 2009 (Science, 23 de dezembro). Esse fluxo de invertebrados aéreos equivale a uma movimentação de 3,2 mil toneladas de biomassa e inclui insetos como besouros, joaninhas, borboletas, mariposas, barqueiros de água e moscas de água. Os insetos viajam para o Sul (mais quente) no outono e para o Norte na primavera. Seu deslocamento coincide com o movimento dos ventos e pode alcançar até 58 quilômetros por hora. Durante o período de observação, os radares registraram 1.320 migrações em massa durante o dia e 898 à noite de insetos de médio e grande porte.“O corpo dos insetos é rico em nutrientes e a importância dessas migrações é subestimada”, diz o biólogo Jason Chapman, do Centro de Ecologia e Conservação da University de Exeter,  campus da Cornualha (Reino Unido), coordenador do estudo. “Se as densidades observadas sobre o Sul do Reino Unido forem extrapoladas para todo o globo, as migrações de insetos em altas altitudes representam o mais importante movimento anual de seres vivos sobre ecossistemas em terra firme, comparáveis às mais significativas migrações oceânicas.”


Matérias relacionadas

CASSIUS STEVANI
Químico explica as reações responsáveis pela bioluminescência em cogumelo
DIVA DENELLE SPADACCI MORENA
Glândula na ponta dos espinhos produz o veneno da lagarta-de-fogo
PESQUISA BRASIL
Greening, preprint, chip e bioluminescência