RESENHAS

Print Friendly

Em busca da solidariedade perdida

Afinidades revolucionárias: Nossas estrelas vermelhas e negras. Por uma solidariedade entre marxistas e libertários | Olivier Besancenot e Michael Löwy | Tradução: João Alexandre Peschanski e Nair Fonseca | Editora Unesp | 200 páginas | R$ 38

FRANCISCO FOOT HARDMAN | ED. 251 | JANEIRO 2017

 

290_097_Resenha_AfinidadesQuando o sociólogo da cultura Michael Löwy, diretor de pesquisa no Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS) da França, brasileiro e um dos pensadores mais renomados no campo das esquerdas antistalinistas, juntamente com Olivier Besancenot, funcionário dos Correios e candidato presidencial na França em 2002 e 2007, com resultados respeitáveis para o Nouveau Parti Anticapitaliste (NPA), resolveram juntar esforços e escrever Afinidades revolucionárias (publicado na França em 2014, já traduzido para o grego e em vias de sê-lo para o alemão e o espanhol), claro estava que não previam os impasses da conjuntura atual, a partir dos acontecimentos recentes nos Estados Unidos, no Brasil, na Turquia e em outros cenários. Seu intuito, para além do exame atento do que sucede nesses e noutros países, foi retroceder cerca de 150 anos, até a fundação da Associação Internacional dos Trabalhadores (conhecida como I Internacional) e a emergência da Comuna de Paris, para revisitar esse laboratório de ideias e práticas revolucionárias, em meio a polêmicas, cisões, mas também a diálogos, afinidades e ações solidárias.

Se você ler ou ouvir alguém dizer que possui a “chave” do enigma da transformação revolucionária no mundo atual, desconfie. Uma das maiores lições deste livro é sua despretensão a qualquer monopólio da verdade, como é comum entre agrupamentos de esquerda, tão dados à arrogância de fórmulas prontas e ao autoritarismo sectário autorreferente e pontificante. E isso vale, é bom notar, tanto nas correntes de linhagem marxista quanto nas de caráter anarquista. O esforço de percorrer novamente experiências significativas e até traumáticas, com a erudição que décadas de estudo e militância proporcionaram aos autores, muito sofisticada em termos de conhecimento teórico e histórico-político em face do rebaixamento intelectual e moral das redes ditas “sociais” e da intolerância como moeda corrente de pseudodebates que só fazem ampliar a fragmentação do pensamento crítico, faz deste livro um belo exemplo de exercício dialógico no melhor sentido filosófico, político e estético que se possa configurar.

Talvez essas afinidades revolucionárias entre marxistas e libertários, perseguidas com desvelo por Löwy e Besancenot, sejam, afinal, utópicas. Mas utopia, aqui, na acepção romântica dos primeiros grandes críticos da modernidade capitalista, pode se identificar com a experiência histórica real e possível. Depois da Comuna de Paris, outros momentos decisivos são revividos, como o Primeiro de Maio de Chicago (1886), a Revolução Russa, a Revolução Espanhola e Maio de 1968. Neles, a mesma pesquisa é ensaiada: buscar os elos solidários que aproximaram, nas lutas concretas, as duas correntes. E o diálogo se dirige também a personagens que tentaram essa ponte para além de suas siglas ou movimentos: Louise Michel, Pierre Monatte, Rosa Luxemburgo, Emma Goldman, Buenaventura Durruti, Benjamin Péret, subcomandante Marcos, Walter Benjamin, André Breton e Daniel Guérin.

No prefácio aos leitores brasileiros, são lembradas as figuras notáveis de Mario Pedrosa, Fúlvio Abramo, Pedro Catalo, Edgard Leuenroth, Hermínio Sachetta e Maurício Tragtenberg, como alguns pensadores e militantes da solidariedade revolucionária libertária em nossa história política republicana. Da Frente Única Antifascista (FUA), em 1934, que reuniu, em São Paulo, anarquistas, comunistas, socialistas, trotskistas e democratas liberais contra o fascismo emergente dos integralistas, às impressionantes Jornadas de Junho, em 2013, reunindo jovens autonomistas do Passe Livre a trabalhadores sem-teto do MTST, há muitas trajetórias a serem analisadas e discutidas. Quais as relações entre democracia direta e representativa? Entre sindicatos e partidos? Entre indivíduos e coletivos? Entre autonomia e federalismo? Entre autogestão e planejamento? Entre preservação da natureza planetária e sociedade pós-capitalista?

Nenhuma resposta é fácil. Este livro não as dá de gaiato, mas ajuda muito a melhor conhecer as questões.

Francisco Foot Hardman, doutor em filosofia pela USP e com pós-doutorado no Collège International de Philosophie, é professor titular de literatura e outras produções culturais do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).


Matérias relacionadas

CARREIRAS
Cientista cognitivo André Souza hoje trabalha com novas tecnologias nos EUA
MEMÓRIA
Wanda Hanke estudou sozinha indígenas da América do Sul nos anos 1930
ANDRÉ FELIPE CÂNDIDO DA SILVA
Historiador fala da trajetória de 90 anos do Instituto Biológico