NOTÍCIAS

Print Friendly

Um chefe para a super-agência britânica

Mark Walport, conselheiro para assuntos científicos do Reino Unido, deve comandar órgão que vai resultar da fusão de nove agências

Edição Online 19:36 13 de fevereiro de 2017

Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Share on FacebookShare on LinkedIn

 

Mark WalportO governo britânico escolheu o imunologista Mark Walport, conselheiro-chefe para assuntos científicos do Reino Unido, para assumir em 2018 a direção da UK Research and Innovation (UKRI), novo órgão de financiamento à ciência e tecnologia com orçamento anual de £ 6 bilhões, o equivalente a US$ 7,4 bilhões. Proposta há dois anos pelo bioquímico Paul Nurse, vencedor do Prêmio Nobel de Medicina em 2001 e presidente da Royal Society entre 2010 e 2015, a “super-agência” está em processo de criação, com o objetivo de centralizar as atividades de nove agências de apoio à pesquisa, entre as quais os sete Conselhos de Pesquisa do Reino Unido (RCUK, na sigla em inglês).

“O sistema britânico de financiamento à pesquisa funciona bem. Mas no momento carece de uma voz única”, disse Walport em entrevista à revista Nature. A escolha por Walport agradou membros da comunidade científica britânica, mas também gerou críticas. O astrônomo Martin Rees, professor da Universidade de Cambridge e ex-diretor da Royal Society, declarou que, como conselheiro científico, Walport foi um forte proponente de “uma estrutura mais monolítica” para o financiamento da ciência britânica.

A criação do UKRI ainda precisa ser aprovada pelo Parlamento do Reino Unido. Segundo um editorial publicado pela Nature, além da preocupação com a consolidação dos conselhos de pesquisa, até então independentes, há receio, por parte dos pesquisadores, sobre a possibilidade de maior interferência do governo em órgãos que gozam de autonomia para decidir a concessão de financiamento.

“Nunca propus algo monolítico”, afirmou Walport à Nature. Segundo ele, as agências de apoio que irão compor o UKRI não perderão autonomia. “A ideia é que trabalhem em conjunto. O todo será maior do que a soma das partes.” O imunologista enfatizou que as agências e os conselhos necessitavam de uma liderança mais forte.

Em maio de 2016, Walport concedeu entrevista à Pesquisa FAPESP e explicou como o modelo britânico de aconselhamento científico se consolidou nas últimas décadas.

Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Share on FacebookShare on LinkedIn

Matérias relacionadas

MARK WALPORT
Conselheiro-chefe do governo britânico fala sobre seu trabalho
FINANCIAMENTO
Instituto privado vai investir em pesquisas de caráter inovador no país
UK RESEARCH AND INNOVATION
Mark Walport vai comandar órgão de financiamento à ciência e tecnologia