NOTAS

Print Friendly

Sete exoplanetas e uma estrela

ED. 253 | MARÇO 2017

 

EstrelaUma campanha de observações envolvendo telescópios terrestres ao redor do mundo e também espaciais, como o Hubble e o Spitzer, da agência espacial norte-americana, a Nasa, confirmou a presença de sete exoplanetas em órbita da estrela Trappist-1, a 40 anos-luz de distância da Terra, na direção da constelação de Aquário. Coordenada pelo astrônomo Michael Gillon, da Universidade de Liege, na Bélgica, a iniciativa é a primeira a observar esse número de planetas extrassolares ao redor de uma única estrela, todos com massa e tamanho semelhantes aos da Terra (Nature, 22 de fevereiro). Os exoplanetas foram nomeados apenas por letras em ordem alfabética, conforme sua distância da estrela: b, c, d, e, f, g e h. Observando variações no brilho da Trappist-1, os pesquisadores conseguiram determinar a distância de cada exoplaneta da estrela e o período de rotação ao redor dela. Também estimaram o tamanho e a massa de todos, exceto do exoplaneta h. Os novos mundos estão mais perto de sua estrela do que a distância entre Mercúrio e o Sol. Como a pequena Trappist-1 é cerca de mil vezes menos brilhante que o Sol, existe a possibilidade de que os exoplanetas tenham água líquida em suas superfícies rochosas, especialmente nos mundos c, d e e. Os astrônomos esperam que o telescópio espacial James Webb, a ser lançado pela Nasa em 2018, seja capaz de detectar a luz das atmosferas desses exoplanetas e deduzir sua composição química.


Matérias relacionadas

ASTRONOMIA
Alguns exoplanetas teriam crostas rígidas demais para serem habitáveis
SPANET
Rede de astronomia paulista quer unir astrofísicos de grandes projetos
ENSINO
Estudantes brasileiros se destacam em concurso da Nasa