EDITORIAL

Print Friendly

Para entender o envelhecimento

ALEXANDRA OZORIO DE ALMEIDA - DIRETORA DE REDAÇÃO | ED. 254 | ABRIL 2017

 

Reportagens sobre envelhecimento atraem leitura, especialmente de quem procura burlar o destino de todo ser vivo. A humanidade já avançou muito em termos de longevidade, mas, para encontrar novas formas de adiar o envelhecimento, a ciência precisa entendê-lo – algo a que vem se dedicando de forma crescente há várias décadas.

Um enorme corpo de pesquisas indica que são múltiplos os processos envolvidos no envelhecimento, e não um só. A reportagem de capa desta edição apresenta as principais linhas de investigação sobre os mecanismos celulares e moleculares associados à senescência, com destaque para a participação brasileira. Dois processos importantes são a perda da capacidade de multiplicação das células, o que dificulta a renovação dos tecidos, e a diminuição da possibilidade de fazer autorreparos no DNA quando surgem defeitos. Outros envolvem organelas como as mitocôndrias, estruturas como os telômeros e o perfil genético de cada pessoa. Mais do que trazer respostas definitivas, o estado da arte da pesquisa ressalta a comple-xidade do problema.

Em outra escala, a de células cultivadas em laboratório, um novo conceito tem obtido sucesso: a cultura tridimensional. Em ambiente bidimensional, como uma placa de Petri, as células formam uma camada plana, distinta de sua organização no organismo vivo. A ideia de promover o cultivo suspenso em um meio de gel permitiu não apenas a proliferação das células, mas a reprodução de sua arquitetura. Reportagem à página 58 mostra como um grupo do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, usando a cultura tridimensional, identificou ligações físicas entre a informação genética no núcleo da célula e o ambiente celular, ampliando o entendimento sobre as relações da célula com o meio que a cerca.

Reportagens sobre lagartas-de-fogo com veneno nas pontas das cerdas e o uso de vespas para o controle biológico do greening, doença que afeta os laranjais, também compõem a edição, mas ela não se restringe à biologia. Em visita ao Brasil, o físico experimental Daniel Kleppner, do Massachusetts Institute of Technology, concedeu entrevista na qual conta sobre suas pesquisas, que permitiram avanços como o Sistema de Posicionamento Global (GPS). Além de suas significativas contribuições para a física atômica, o pesquisador se dedicou à docência, defendendo que ensino e pesquisa andam juntos: “Ensinar deve ser um processo criativo, para encontrar novas maneiras de entender as coisas, o que também é parte do trabalho de pesquisa científica”.

As fotografias no mundo atual são objeto de reportagem à página 84, que mostra como sua onipresença está vinculada não apenas à popularização das câmeras, mas também à ampliação do acesso às viagens turísticas. No final do século XIX, os novos meios de transporte e a concessão de férias remuneradas ampliaram o turismo – e as cobiçadas viagens não seriam completas sem o seu registro, tornando a câmera pessoal um objeto de desejo.

O Instituto Serrapilheira, centro privado dedicado ao fomento de pesquisa nas ciências da vida, ciências físicas, engenharias e matemática, anunciou o início de suas atividades. A iniciativa do documentarista João Moreira Salles é um exemplo positivo de alocação de recursos privados para benefícios públicos, no caso, a pesquisa científica. Sendo bem-sucedido, o Serrapilheira poderá ser inspiração para outras iniciativas semelhantes.


Matérias relacionadas

NORMAN BORLAUG 2017
Coordenador do Programa de Bioenergia da FAPESP recebe prêmio
VALDIR GUIMARÃES
Colisão de estrelas de nêutrons libera elementos químicos
KELLY KOTLINSKI VERDADE
Programa incentiva participação de mulheres na área de exatas