NOTAS

Print Friendly

Novo satélite para o sistema de comunicação do Brasil é lançado ao espaço

ED. 255 | MAIO 2017

 

Em 4 de maio, um foguete lançou da base de Kourou, na Guiana Francesa, o SGDC, satélite (representação artística acima) que deve ampliar o alcance da internet e ser usado para comunicação militar

O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) foi lançado no espaço em 4 de maio do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa. O SGDC será operado pela Telebras e terá duas faixas de frequência. A chamada banda Ka, correspondente a 70% de sua capacidade, será usada para ampliar a oferta de banda larga no país, atendendo às necessidades do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), que prevê levar internet de qualidade para regiões mais carentes em infraestrutura e tecnologia. Já a banda X, com os 30% restantes, será destinada exclusivamente ao uso militar. Com 5,8 toneladas e 7 metros de comprimento, o satélite está localizado a 36 mil quilômetros da superfície terrestre, na posição orbital de 75 graus de longitude oeste, cobrindo todo o território nacional e parte do oceano Atlântico. Sua vida útil é estimada em 18 anos. Parceria entre o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Ministério da Defesa, o projeto do SGDC recebeu investimento de R$ 2,1 bilhões. Além de conferir maior autonomia às comunicações civis e militares no país, o satélite deverá trazer ganhos relevantes para a indústria aeroespacial brasileira. O contrato de aquisição do equipamento com a fabricante, a multinacional francesa Thales Alenia Space, previu a transferência de tecnologias para empresas brasileiras do setor. Atualmente, os satélites utilizados pelo Brasil são gerenciados por estações terrestres localizadas fora do país ou têm o controle nas mãos de empresas com capital estrangeiro. Além do SGDC, o Brasil utiliza 45 satélites de comunicação, todos de companhias privadas.


Matérias relacionadas

CAPA
Internet das Coisas promete aumentar a produtividade e impulsionar empresas...
ENGENHARIA AGRÍCOLA
Programa de aplicação de agroquímicos no campo é referência nacional
GUILHERMO ADERALDO
Antropólogo explica o que é o videoativismo