CARTAS

Print Friendly

Cartas | 256

ED. 256 | JUNHO 2017

 

Humanidades digitais
Na edição 255 da Pesquisa FAPESP, ao deparar com a capa “Humanidades digitais” imaginei como, nesse mês, a revista poderia tornar-se ainda melhor, uma vez que, ao unir dois elementos tidos como distintos, a síntese poderia ser simplesmente incrível. E foi. Outro ponto: as entrevistas são sempre muito atrativas. Nesta edição foi impressionante. Roberto Lent, um dos maiores neurocientistas, “conversando” de uma maneira clara e sucinta.

Luciano Henrique Moreira Santos
Uberaba, MG

***

Roberto Lent
Que a ciência possa continuar produzindo professores como Roberto Lent (“Especialista em conexões”, edição 255).

Roan Coutinho
***
Esse eu tenho a honra de conhecer. Além de tudo, ainda é um grande ser humano.

José Carlos Moraes

***
Vídeos
A fotografia, desde que surgiu, nos possibilita um olhar sobre o que nos cerca, sendo importante chave de uma construção social do indivíduo (vídeo “A onipresença da imagem”).

Sabrina Nicolazzi

***

Temo que as gerações futuras não terão sequer memória. O mundo virtual, a tecnologia veloz e a mania dos selfies fazem com as pessoas fotografem muitas imagens que ninguém verá, nem elas próprias.

Sandra Luz

***

Sinto que depois que veio a foto digital paramos de imprimir e no futuro teremos um espaço de história sem registros fotográficos do dia a dia.

Silvia Ranaldi

***
Vídeo sensacional sobre técnicas e tecnologias para trabalho com células (“Jardins suspensos das células”).

Ivano Casagrande Jr.

***
Gênero na ciência

Há um caminho enorme ainda a ser percorrido na conquista dos espaços dentro da ciência pelas mulheres. Isso só pode avançar se a sociedade for parceira nessa luta (“Em busca de equilíbrio”, edição 254).

Nilson Lima

***
Carreiras

A educação científica é o pilar-mor de qualquer país que queira avançar na pesquisa (“A internet ganhou”, edição 254).

Eneida Eskinazi

***
Usar novas plataformas. Esse é o lance!

Carlos Elson Cunha

***
Cidades médias

Feudos urbanos e a segregação social, é assim que são feitos, construindo muros, não pontes (“A vida entre muros”, edição 254).

Bruna Vilela

***

Sua opinião é bem-vinda. As mensagens poderão ser resumidas por motivo de espaço e clareza. cartas@fapesp.br


Matérias relacionadas

PESQUISA BRASIL
Crescer com Down, astrofísica na banheira e cogumelo mais antigo do mundo
AMBIENTE
Estratégias para monitorar as áreas arborizadas das cidades
EDUARDO BONINO
Novo satélite levará sinal de internet a regiões distantes do país