NOTAS

Print Friendly

Vírus da dengue reprograma células sanguíneas

ED. 256 | JUNHO 2017

 

Patógeno da doença altera o funcionamento das plaquetas (em roxo)

Causador da doença hemorrágica mais comum do mundo, com 90 milhões de novos infectados por ano, o vírus da dengue altera o funcionamento das plaquetas, as células responsáveis pela coagulação do sangue. Esse efeito, identificado agora por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Rio de Janeiro, soma-se a outras alterações atribuídas anteriormente à ação do vírus. Há tempos se sabe que esse vírus causa uma diminuição importante na concentração sanguínea de plaquetas, aumentando o risco de hemorragias. Sem a quantidade adequada dessas células – na verdade, elas são fragmentos de células da medula óssea –, o organismo deixa de ter a capacidade de estancar a perda de sangue por fraturas que surgem nos vasos sanguíneos. Mas não se conhecia como o vírus afetava a atividade das plaquetas. Para tentar descobrir a influência do vírus sobre elas, o grupo da Fiocruz liderado por Jonas Perales e Patrícia Bozza decidiu comparar o perfil proteico (proteoma) das plaquetas de indivíduos com dengue com o das plaquetas de pessoas sadias. Das quase 3.400 proteínas mapeadas, 252 eram diferencialmente expressas (produzidas em maior ou menor quantidade) nas plaquetas de quem tinha dengue. A análise do proteoma indicou que, após o contato com vírus, as plaquetas se tornaram ativas e começaram a sequestrar do sangue proteínas que contribuem ainda mais para sua ativação. Elas também passaram a estocar e a liberar moléculas inflamatórias na corrente sanguínea. “Essas citocinas e quimiocinas inflamatórias parecem colaborar para o agravamento do quadro clínico”, conta a pesquisadora Monique Trugilho, primeira autora do artigo (PLOS Pathogens, de maio). O grupo verificou ainda que o contato com o vírus induz nas plaquetas uma potencial nova função, antes considerada exclusiva de células de defesa: as plaquetas se tornariam capazes de degradar proteínas virais, direcionar seus fragmentos para a superfície e os apresentar para outras células, disparando uma resposta de defesa. “Novos experimentos são necessários para confirmar se isso ocorre, mas a análise do proteoma indica que as plaquetas possuem as proteínas necessárias para exercer tal função”, conta Monique.


Matérias relacionadas

ANDRÉ FELIPE CÂNDIDO DA SILVA
Historiador fala da trajetória de 90 anos do Instituto Biológico
ALINE MARIA DA SILVA
Vírus destroem bactérias e ajudam a combater doenças
LUIZ CARLOS ALCÂNTARA
Laboratório em ônibus monitora evolução genética do vírus zika