NOTÍCIAS

Print Friendly

Morre aos 80 anos Ecléa Bosi, criadora da Universidade Aberta à Terceira Idade

Professora emérita de psicologia social da USP, pesquisadora dedicou-se ao estudo de grupos sociais fragilizados

Edição Online 12:41 11 de julho de 2017

 

Morreu nesta segunda-feira (10/07), aos 80 anos, Ecléa Bosi, professora titular e emérita de psicologia social do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP) e uma das principais estudiosas brasileiras da condição de grupos sociais fragilizados, como operárias de baixa renda e idosos. Ecléa foi idealizadora, desenvolvedora e coordenadora do programa Universidade Aberta à Terceira Idade da USP de 1994, quando foi criado, até o final de 2016. Em pouco mais de duas décadas, a iniciativa permitiu que mais de 100 mil idosos fossem à universidade, cursassem disciplinas de graduação e, em atividades complementares, como seminários, palestras e excursões, trocassem informações e experiências com os jovens. Hoje o programa atende anualmente mais de 9 mil pessoas acima de 60 anos.

Nascida em São Paulo em 1936, Ecléa formou-se em psicologia na USP. Fez mestrado e doutorado na mesma instituição. Publicou uma série de livros. Cultura de massas e cultura popular: leituras de operárias (Vozes, 1996) traz sua pesquisa de campo sobre leituras de operárias em que a autora interpreta a cultura popular como uma cultura de resistência. Memória e sociedade: lembranças de velhos (Companhia das Letras, 1994) foi resultado de sua tese de livre-docência e apresenta uma reflexão sobre a história da cidade de São Paulo a partir da memória social de idosos que viveram na cidade desde a infância e participaram de sua construção. Escreveu também Velhos amigos (Companhia das Letras, 2003) e O tempo vivo da memória (Ateliê, 2003), entre outros.

“Ecléa Bosi foi um exemplo de erudição colocada a serviço das grandes causas da humanidade. Tanto quanto seu marido, Alfredo Bosi, colocou-se ela como referência e contraponto diante da arrogância, dos dogmatismos, dos jargões e da soberba”, escreveu em 2013 o psicólogo Paulo de Salles Oliveira, professor titular do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho no Instituto de Psicologia da USP, na Revista USP. “Mesmo aposentada, fazia questão de lecionar também na graduação e era reconhecida por seus alunos por isso.”

Ecléa teve dois filhos, Viviana e José Alfredo. Recebeu diversos prêmios ao longo de sua carreira, como o Internacional Ars Latina, em 2009, pelo conjunto da obra, e o Averroes, em 2011, pelos estudos sobre memória e sociedade, pioneirismo e espírito compartilhador expressados na trajetória do programa Universidade Aberta à Terceira Idade. No mesmo ano, foi laureada com o Loba Romana, entregue a italianos e descendentes que se destacaram pela atuação social, econômica e cultural e contribuíram para o estreitamento das relações entre Brasil e Itália.

Leia entrevista concedida à Pesquisa FAPESP em 2014:

http://revistapesquisa.fapesp.br/2014/04/24/eclea-bosi-narrativas-sensiveis-sobre-grupos-fragilizados/


Matérias relacionadas

ECNP PRECLINICAL NETWORK DATA
Um prêmio para estudos que deram errado
NOBEL DE ECONOMIA
Uma teoria da contabilidade mental
CARREIRAS
Cientista cognitivo André Souza hoje trabalha com novas tecnologias nos EUA