EDITORIAL

Print Friendly

De vilão a herói

ALEXANDRA OZORIO DE ALMEIDA - DIRETORA DE REDAÇÃO | ED. 257 | JULHO 2017

 

Vírus é um substantivo que normalmente anda mal acompanhado: vírus da Aids, da zika, da dengue, da gripe. Talvez por isso, quando larga o trabalho de vilão e se torna (candidato a) herói, essa partícula microscópica assume outro nome. Bacteriófagos, ou apenas fagos, são vírus capazes de identificar e destruir bactérias específicas, e por isso podem representar uma promessa de tratamento alternativo ao uso de antibióticos. Para encontrá-los e identificá-los, um trabalho de ciência básica que pode estar na origem de aplicações biotecnológicas inovadoras, é preciso ir onde estão as bactérias – por exemplo, nas composteiras do Zoológico de São Paulo. A curiosa história compõe a reportagem de capa desta edição, que trata também da abordagem chamada de biologia sintética, que envolve a programação de DNA como se fosse um código de computador. Enquanto a biologia sintética se baseia no que há de mais avançado na ciência, o uso de fagos representa o aproveitamento de alguns dos mecanismos evolutivos mais primordiais (e eficientes, é verdade) que existem.

Voltando ao seu papel mais conhecido, os vírus HPV e um grupo bastante agressivo, os arbovírus – entre os quais o zika –, também estão presentes nesta edição. Uma potencial boa notícia vem de recentes estudos publicados sobre a febre zika, epidemia sistematicamente coberta por esta revista desde sua eclosão, em 2015. A suspeita de que pessoas e macacos já contaminados pela dengue apresentariam um quadro mais severo de zika não se confirmou, sugerindo-se exatamente o contrário: ao se infectar com zika após ter tido dengue, o paciente pode apresentar um quadro mais leve da doença. Nesse caso, a infecção anterior pelo vírus da dengue teria um efeito amenizador contra o vírus da zika.

O médico norte-americano Robert Tesh estuda a diversidade mundial dos arbovírus – aqueles que, como o da zika e o da dengue, são transmitidos por mosquitos e carrapatos, entre outros artrópodes – há cinco décadas, várias das quais no comando do Centro de Referência Mundial para Vírus e Arbovírus Emergentes da Organização Mundial da Saúde (OMS).

No Brasil, em entrevista à revista (página 56), Tesh se mostrou cético quanto às possibilidades de erradicação do mosquito Aedes Aegypti e dos vírus patogênicos que ele transmite. A versatilidade do transmissor e dos vírus seria par para qualquer tentativa de interferência humana. Durante sua carreira, o virologista percorreu inúmeras vezes o Brasil e seus vizinhos para coletar amostras de vírus, contribuindo para que o maior número dos arbovírus conhecidos hoje seja proveniente da América do Sul.

A América Latina é tema da entrevista com a historiadora Maria Ligia Prado, que também há quase cinco décadas estuda a história da região e as interpretações sobre o seu desenvolvimento. Para a pesquisadora, a identidade da América Latina, questão que acompanha a região desde a independência, é um tema delicado. Trata-se de uma construção intelectual, mas que é carregada de emoção e tem impacto na vida e nas escolhas das pessoas, o que não deve ser ignorado. A construção de uma identidade, seja qual for, facilmente deixa de lado as diferenças e os conflitos, permitindo que o outro passe a ser visto como inimigo. O antídoto, para Maria Ligia, é o espírito crítico.


Matérias relacionadas

VALDIR GUIMARÃES
Colisão de estrelas de nêutrons libera elementos químicos
KELLY KOTLINSKI VERDADE
Programa incentiva participação de mulheres na área de exatas
RENATO LADA GUERREIRO
Como ocorreu a formação da região conhecida como Nhecolândia