NOTAS

Print Friendly

Um maracujá para cultivo na Caatinga

ED. 257 | JULHO 2017

 

A variedade BRS Sertão Forte é fruto de melhoramento genético do maracujá-do-mato

Em junho, a Embrapa lançou em Petrolina (PE) uma variedade de maracujá para plantio comercial, a BRS Sertão Forte, adaptada para áreas de clima semiárido, de pouca chuva. O novo cultivar nasceu de pesquisas que levaram ao melhoramento genético de uma espécie silvestre da planta, conhecida como maracujá-do-mato ou da Caatinga (Passiflora cincinnata), que ocorre naturalmente em áreas secas do Nordeste, mas tem baixa produtividade. A BRS Sertão Forte mantém a capacidade de sobreviver em ambientes com pouca água, uma particularidade do maracujá-do-mato, porém seus frutos e rendimento por área plantada são maiores. Em relação ao maracujá azedo (Passiflora edulis), a espécie mais comumente plantada no país, ela também apresenta vantagens. A variedade desenvolvida a partir do maracujá-do-mato tem um tempo de vida produtiva maior e resiste bem à fusariose, doença fúngica que ataca frequentemente os plantios comerciais do fruto. “A BRS Sertão Forte pode ser cultivada com baixo custo tecnológico”, explica o engenheiro-agrônomo Francisco Pinheiro de Araújo, da Embrapa Semiárido, responsável pelo desenvolvimento do cultivar, no comunicado de apresentação da variedade. “Ela é bastante apropriada para a agricultura familiar, principalmente para produção orgânica.”


Matérias relacionadas

JOSÉ ROBERTO POSTALI PARRA
Entomologista defende controle biológico para combater pragas da lavoura
ANDRE BORJA REIS
Agrônomo desenvolve novo método de plantio para a rizicultura
PESQUISA BRASIL
Insetos sociais, raios cósmicos, animais na pista, e menos água no arroz