CARTAS

Print Friendly

Cartas | 258

ED. 258 | AGOSTO 2017

 

Belas adormecidas
A respeito da reportagem “Artigos adormecidos” (edição 256), não vejo sentido em avaliar o número de citações limitando a somente os últimos anos. Isso é querer obrigar a publicar sobre algo incremental do momento e não em pesquisa básica. O número total de citações mostra a trajetória sem limitações, se se quiser dividir pelo número de anos em atividade, até que poderia ser um critério mais razoável. Um fator que vem mudando a si-tuação são as redes sociais de cientistas, nas quais se pode colocar livremente artigos sem que fiquem na clausura do acesso restrito.

José Joaquín Lunazzi
IFGW/Unicamp
Campinas, SP
***
Ciência sem Fronteiras
Custo alto com retorno perto do zero (“Experiência encerrada”, edição 256). Mais uma ação populista sem nenhum controle.

Fabrício Vilas Boas
***
R$ 13,2 bilhões? Com esse dinheiro dá para trazer quantos professores de fora do país para darem aula aqui? E financiar quantos projetos?

Matheus Grossi
***
O programa foi ótimo. O maior erro foi na execução. Mas ainda assim acredito que quem teve essa oportunidade poderá fazer a diferença. Eu fui bolsista do Ciência sem Fronteiras. Estou iniciando o doutorado em agosto e espero poder dar retorno de alguma forma à sociedade pelo investimento que recebi.

Gustavo Anndré
***
Nível do mar
Sobre a nota “Nível do mar na costa brasileira deve subir” (edição 256), tudo tende a ficar pior: destruição de ecossistemas inteiros, mudança nas correntes marinhas e bilhões de vidas perdidas. Esse cenário pode ainda ficar pior se nada fizermos.

Marcelo Prado Felice
***
Vídeos
Lindo trabalho, que traz o conhecimento de forma clara e objetiva (“A saúde das árvores urbanas”).

Cleide M. Fuhlendorf
***
Muito bom este vídeo. Esclarecedor.

Ibirá Lucas
***
Qual o status atual da saúde das árvores de São Paulo? As entrevistas foram genéricas e só se falou de projetos em andamento. Faltou mostrar resultados dos estudos dos grupos.

Thais Mauad
***
Muito importante a discussão do vídeo “Vale quanto pesa”. A indústria farmacêutica, por exemplo, depende desse padrão.

Luzianderson Ramos

***
Correção
Na reportagem “Na selva de pedra” (edição 255),
a araponga é uma ave típica da Mata Atlântica, e não do Cerrado, como foi publicado.

Sua opinião é bem-vinda. As mensagens poderão ser resumidas por motivo de espaço e clareza. cartas@fapesp.br


Matérias relacionadas

MASSPEC PEN
Dispositivo auxilia na identificação de tecido tumoral
CARLOS CARVALHO
Tomógrafo inovador auxilia pacientes que respiram com ajuda de aparelhos
EURIPEDES CONSTANTINO MIGUEL
Psiquiatra fala dos desafios de liderar um grupo de pesquisa