NOTAS

Print Friendly

O segredo das uvas sem semente

ED. 258 | AGOSTO 2017

 

O silenciamento temporário de um gene gera sementes residuais na variedade Sultanina

Conhecidas nos Estados Unidos e no Brasil pelo nome de Thompson Seedless, as uvas-brancas da variedade Sultanina são resultado de uma mutação natural que as deixou sem sementes. Originárias provavelmente da região entre a Turquia e a Grécia, são consumidas preferencialmente in natura ou como passas e seu vinho não é visto como de qualidade. Pesquisadores brasileiros liderados pelo biólogo molecular Luís Fernando Revers, da Embrapa Uva e Vinho, de Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, comprovou o mecanismo molecular que leva essas uvas a não terem sementes (Journal of Experimental Botany, 28 de março). Eles compararam o padrão de ativação do gene VviAGL11 durante o desenvolvimento de frutos de uma uva com sementes, a branca Chardonnay, usada para fazer vinho, e da Sultanina. Há anos, suspeita-se que esse gene estivesse envolvido na formação de sementes, mas a hipótese ainda não havia sido demonstrada. Revers e seus colaboradores constataram que, na Chardonnay, o VviAGL11 é expresso em momentos cruciais para a formação da casca que reveste as sementes. Na Sultanina, o gene simplesmente não é ativado nessa fase e isso resulta em sementes residuais – na prática, em uvas sem semente. A determinação do papel desse gene pode ser útil para manipular a formação de sementes nas variedades plantadas. “A expectativa é de transformar esse conhecimento em uma ferramenta para, antes mesmo de produzir o fruto, saber, por meio de testes de DNA, se a uva irá ou não ter sementes”, diz o biólogo molecular. Segundo o pesquisador, essa seria uma forma de acelerar o desenvolvimento de novos cultivares.


Matérias relacionadas

MEDICINA
Análise de trechos de DNA aprofunda diagnóstico de doenças
MELHORAMENTO
Projetos buscam novas propriedades em culturas já conhecidas
MANDIOCA
Tubérculo com maior qualidade nutricional teve importância social em São...