NOTAS

Print Friendly

A importância de cada fator de risco no derrame

ED. 259 | SETEMBRO 2017

 

O peso somado dos cinco principais fatores de risco para a ocorrência de derrame – hipertensão, diabetes, tabagismo, obesidade e colesterol elevado – na população dos Estados Unidos diminuiu significativamente entre 1990 e 2010. A proporção de casos da doença associados a eles caiu de 73% para 41% (The New England Journal of Medicine, 25 de maio). A queda, no entanto, foi muito mais expressiva nos indivíduos brancos do que nos negros (ver gráfico). Entre a parcela caucasiana da amostra de 15.350 adultos que foram acompanhados por duas décadas, a hipertensão e o fumo tiveram uma redução acentuada como fator de risco para derrame. Na população afrodescendente, a queda desses dois fatores foi menos expressiva. Estar acima do peso, que nos anos 1990 tinha uma influência insignificante no desencadeamento de derrames, hoje está mais associado à ocorrência do problema, sobretudo entre os negros. “Contudo, por predispor ao desenvolvimento de hipertensão e diabetes, a obesidade representa um importante fator de risco a ser prevenido e tratado em toda a população”, alerta o cardiologista Wilson Nadruz, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), principal autor do estudo, feito em parceria com colegas dos Estados Unidos.


Matérias relacionadas

PODCAST: MAISA ARAÚJO
Relógio biológico é o tema premiado com o Nobel de Medicina
EPIDEMIOLOGIA
Não deu zika nas Olimpíadas do Rio
PESQUISA BRASIL
Cérebro de dinossauro, relógio biológico e Indústria 4.0