NOTAS

Print Friendly

Aquecimento climático faz trufa negra crescer no Reino Unido

ED. 261 | NOVEMBRO 2017

 

Trufas negras de Périgord (Tuber melanosporum) teriam uma maior capacidade de se adaptar a novos hábitats

Oriunda do Sul da França e encontrada majoritariamente em lugares de clima mediterrâneo, trufas negras de Périgord (Tuber melanosporum), um dos ingredientes mais caros da alta gastronomia, foram colhidas pela primeira vez no Reino Unido (Climate Change, 2 de novembro). Depois de nove anos de espera, trufas dessa espécie, cujo quilograma é cotado a R$ 7 mil no mercado internacional, foram encontradas em março de 2017 em meio às raízes de um carvalho em Monmouthshire, no País de Gales. Seu descobridor foi uma cachorra treinada para realizar essa tarefa, Bella. As trufas são fungos subterrâneos comestíveis que crescem espontaneamente ou podem ser cultivados no entorno de árvores, a exemplo do que ocorreu agora em solo britânico como resultado de um programa coordenado pela empresa Mycorrhizal Systems (MSL) com apoio da Universidade de Cambridge e de produtores locais. Análises microscópica e genética confirmaram que se tratava de fato da iguaria de Périgord, o segundo tipo de trufa mais valorizado, atrás apenas da trufa branca do Norte da Itália (Tuber magnatum). Pesquisadores da Universidade de Cambridge atribuíram o sucesso do cultivo da trufa negra em terras britânicas à sua capacidade de se adaptar a novos hábitats e às mudanças climáticas, que têm elevado as temperaturas em partes do Reino Unido. O aquecimento das ilhas britânicas também tem servido de impulso para a produção de vinhos espumantes nos condados de Kent e Sussex, no Sul da Inglaterra, que têm solo calcário similar ao da região francesa de Champagne.


Matérias relacionadas

AMBIENTE
Perda de biodiversidade ameaça bem-estar das gerações atuais e futuras
FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA
Encontro promove discussões sobre busca por segurança hídrica
ECOLOGIA
Chuvas torrenciais podem alterar o curso dos rios e áreas alagadas do Pantanal