NOTAS

Print Friendly

A maior biblioteca do mundo começará a selecionar tuítes

ED. 263 | JANEIRO 2018

 

Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos revê política de arquivamento de informação digital

A Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, sediada na capital, Washington, divulgou que, a partir de janeiro de 2018, deixará de arquivar todas as mensagens publicadas na rede social Twitter, criada em 2006, e passará a fazer uma seleção do conteúdo que será armazenado. Ela vai guardar apenas uma fração dos tuítes, geralmente aqueles ligados a temas nacionais ou a eventos, como eleições. O Twitter havia doado em 2010 todo o seu acervo digital para a biblioteca, que, desde então, o mantinha atualizado. Recentemente, a rede social, que recebe cada vez mais imagens e vídeos, aumentou o tamanho máximo de suas mensagens de 140 para 280 caracteres. A quantidade de dados a ser arquivada cresceu tanto nos últimos anos – hoje são publicados cerca de meio bilhão de tuítes por dia – que se torna cada vez mais difícil arrumar espaço e gerenciar os acervos. “A medida é um alerta para quem lida com big data”, disse, ao site da revista The Atlantic, Michael Zimmer, diretor do Centro de Pesquisa em Política de Informação da Universidade de Wisconsin-Milwaukee. O anúncio também preocupa os historiadores do cotidiano, que devem perder parte de uma fonte de informação importante sobre a vida e o pensamento das pessoas comuns no início do século XXI.


Matérias relacionadas

CARREIRAS
Carolina Nalon desistiu da biologia para criar uma empresa de coaching
CENÁRIOS
Projeto mapeia impacto de tecnologias emergentes da indústria
PERIÓDICOS
Para obter mais citações, revistas brasileiras aumentam rigor