FOTOLAB

Print Friendly

Selfies na floresta

ED. 266 | ABRIL 2018

 

Animais que circulavam pela floresta ou invadiam plantações de mandioca acionaram automaticamente câmeras presas a árvores na região do rio Juruá, oeste da Amazônia. O objetivo das armadilhas fotográficas instaladas por Mark Abrahams e Hugo Costa, estudantes de doutorado sob orientação do ecólogo paraense Carlos Peres, professor da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, era identificar os destruidores dos roçados: cutias, pacas e veados-mateiros (à esq.) foram os mais frequentes, em concordância com relatos dos ribeirinhos e com os índices de caça. Suçuaranas (no alto) e aves de rapina (à dir.), além de outros animais, passaram pelas estações de selfie mais raramente e sem danificar as plantações.

Imagens enviadas por Mark Abrahams, obtidas durante doutorado na Universidade de East Anglia

Sua pesquisa rende fotos bonitas? Mande para imagempesquisa@fapesp.br. Seu trabalho poderá ser publicado na revista.


Matérias relacionadas

BIODIVERSIDADE
As onças isoladas do Espírito Santo
ECOLOGIA
Levantamento registra predomínio de pequenos animais na Mata Atlântica
CRISTIANA SIMÃO SEIXAS
Bióloga aponta saídas para frear perda da biodiversidade