Imprimir PDF

Paleontologia

Testemunhas da união de dois supercontinentes

Registro fóssil de ramo de gimnosperma do gênero Brachyphyllum em rocha do Cretáceo inferior

LINDOSO, R. N. et al. Brazilian Journal of Geology. v. 48, n.1. 2018

Rochas calcárias do município de Brejo, nordeste do Maranhão, guardam registros fósseis dos mais antigos grupos de plantas do Brasil, de acordo com levantamentos conduzidos pelo paleontólogo Rafael Lindoso, professor do Instituto Federal de Educação do Maranhão, com especialistas da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, no Rio Grande do Sul, e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Brazilian Journal of Geology, março). De acordo com esse trabalho, os registros de fósseis de gimnospermas (plantas com sementes nuas) e angiospermas (sementes protegidas por frutos) em rochas da Formação Codó são do Cretáceo inferior, período geológico que durou de 145 milhões a 100 milhões de anos atrás, quando esses grupos de plantas surgiram e começaram a se espalhar pela Terra. Elas caracterizam as áreas tropicais da Laurásia e de Gondwana e indicam que esses dois supercontinentes que existiram no passado permaneceram unidos ou muito próximos até o Cretáceo inferior. As plantas aparentemente cresciam em um ambiente salino, resultante da invasão da água do mar, como indicado por grãos de pólen, esporos e fósseis de crustáceos, moluscos e peixes que já haviam sido encontrados na região. Em 2000, pesquisadores dos museus de história natural de Berlim, Alemanha, e de Estocolmo, na Suécia, relataram na revista International Journal of Plant Sciences a identificação de angiospermas também do Cretáceo na Formação Santana, na chapada do Araripe, na divisa dos estados do Ceará, Piauí e Pernambuco.