Imprimir PDF

Dados

Depósitos de patentes crescem e indústria mostra fraqueza

Em 2017, foram depositadas 5.480 patentes de invenção por residentes no Brasil no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI). Houve crescimento, em relação a 2016, de 5,4% (5.199). Desde 2000, quando o depósito foi de 3.178 patentes, houve expansão de 72%. De 2015 a 2017, o crescimento foi de 18%.

As empresas entre as líderes no período (2013 e 2017), Whirlpool e Petrobras, apresentam queda significativa desde 2014, enquanto a Vale, após o pico de 32 patentes em 2015, também caiu em 2016/17. A Petrobras, líder entre 2000 e 2012 e terceiro lugar em 2014, foi apenas a 26ª colocada em 2017, com 19 patentes depositadas, menor número desde 2000.

Apesar do crescimento recente, empresas deixaram de liderar a produção de patentes no país1. Contando com 9 das 15 organizações líderes no período 2000-2005, apenas 3 constam da lista de 2013-2017, e apenas 1 em 2017. Na direção oposta, as universidades, de 3 incluídas na lista de 2000-2005, passaram a 11, entre 2013 e 2017, e a 16 das 172 organizações líderes, no último ano.

1 Para participação da indústria e das universidades no total, ver https://revistapesquisa.fapesp.br/2017/07/18/patentes-da-invencao/2 Houve quatro organizações empatadas na posição 14, todas universidades. 3 Embraco e Multibrás formaram a Whirlpool, a partir de 2006. FONTE Estatísticas do INPI.