Imprimir PDF

Cartas | 274

Cartas | 274

Museu Nacional 
É um prazer ler reportagens jornalísticas com esse nível de profundidade (“Museus em crise”, edição 272). A publicação não poderia ter vindo em melhor momento.
Solange Ferraz de Lima
Museu Paulista da USP

***

Somos uma escola da rede estadual de Guarulhos (SP), a E.E. Dona Chiyo Yamamoto, de uma região muito distante do centro da cidade. A revista muito tem nos ajudado nas aulas e, particularmente, em nossos provões para o ensino médio, com seus textos claros, coesos e de altíssimo nível. Dessa forma, como professor de língua portuguesa, parabenizo-os pela excelente revista e, em particular, pela edição sobre o Museu Nacional, pela pertinência do assunto e necessidade de conscientizarmos os alunos a respeito da importância dos museus.
Waldemar P. de Freitas Jr. 

***

Infelizmente não cuidaram do museu como ele necessitava. Todos sabiam das suas carências, mas continuaram a apostar na sorte e o resultado foi o pior possível.
Miguel Ângelo de Oliveira Santiago

***

Museu da Natureza
Niède Guidon é um exemplo de perseverança na luta pela ciência (“Inauguro o Museu da Natureza e vou descansar”, edição 272). Uma grande inspiração para as cientistas brasileiras, em qualquer área.
Maria Eulalia Vares

***

Tenho a sensação de que sem Niède Guidon não existiria o Parque Nacional da Serra da Capivara e tampouco todas as descobertas que nele foram realizadas. Incrível ela ter feito em uma vida o que fez.
Maria Tereza Padua

***

Belíssimo trabalho de uma vida inteira.
Monica Rehm

***

Descanso merecido, tomara que alguém muito competente, que tenha tanto amor pela ciência, continue seu trabalho.
Adriana Machado

***

Vídeos
A extinção em massa do final do período Permiano é muito interessante (“Cicatrizes de um cataclismo no Brasil Central”). Parabéns a todos os pesquisadores pela contribuição.
Antonio Carlos Foltran

***

Muito bom o vídeo “As marcas do português brasileiro”. Eu já tinha uma ideia que o facto de aqui em Portugal não usarmos tanto o gerúndio era coisa nova porque em galego e castelhano usa-se tal como no Brasil. E mesmo em alguns sons das vogais notam-se diferenças que aí se mantiveram.
José Filipe Pinto

**

Sua opinião é bem-vinda. As mensagens poderão ser resumidas por motivo de espaço e clareza.