Imprimir PDF

Jovens Pesquisadores

Um programa ágil e exigente

Jovens pesquisadores com expressiva atividade em seu campo de trabalho podem contar, a partir de agora, com o apoio da FAPESP para desenvolvimento de projetos com duração de até quatro anos, em instituições de pesquisa do Estado de São Paulo. Essa oportunidade foi aberta com a criação do Programa de Apoio a Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes, proposto pelo Conselho Técnico-Administrativo da Fundação e aprovado por seu Conselho Superior no último dia 5 de julho. A primeira data para apresentação dos projetos é 31 de outubro próximo.

O objetivo básico do novo programa, para o qual foram alocados, inicialmente, recursos anuais de R$5 milhões, é contribuir para a fixação de pesquisadores no Estado, para a formação de novos núcleos de pesquisa e para a descentralização do sistema estadual de pesquisa. Nesse sentido, ele buscará criar condições adequadas de traballlo para jovens pesquisadores de grande potencial, principalmente nos chamados centros emergentes das várias instituições, ou seja, aqueles em fase de formação, que não contam ainda com apoio efetivo das linhas usuais de fomento de agências financiadoras.

Os projetos podem ser submeidos à análise da Fundação – que os selecionará em hases compelitivas – tanto individualmenle, quanto por grupo de jovens pesquisadores. E a palavra jovem, usada no nome do programa, não deve ser encarada como barreira por pesquisadores eventualmente mais velhos, que, entretanto, ainda não têm uma longa trajetória em atividades de pesquisa. Isso porque a FAPESP não eslabelece um limite estrito de idade para o candidato, ainda que dê prioridade aos mais novos. A partir de 1996, os prazos para o recehimento de propostas na fundação encerram-se no final de junho e de novembro.

Um programa ágil e exigente

Os pesquisadores que tiverem suas propostas aprovadas pela FAPESP, no âmbilo do Programa de Apoio a jovens Pesquisadores em Centros Emergentes, deverão contar com uma concessão de recursos rápida, garantindo o desenvolvimento pleno e autônomo dos projetos.

Serão asseguradas aos beneficiários desse novo programa facilidades que hoje são normalmente concedidas aos pesquisadores envolvidos com Projetos Temáticos financiados pela Fundação, como o ágil processo de análise em solicitações de bolsas, visitas de curta duração ao exterior e apoio à vinda de pesquisador visitante. A FAPESP também investirá na infra-estrutura de pesquisa dos centros emergentes, para viabilizar o desenvolvimento dos projetos aprovados dentro do Programa.

Tantas facilidades naturalmente exigem contrapartidas dos candidatos ao programa. E a mais importante delas é que o solicitante do apoio tenha expressiva atividade de pesquisa em temas relevantes de sua área de atuação, documentada por meio de publicações ou de outras realizações que a comprovem. Isso, no entanto, ainda não basta: uma vez que o processo de seleção será competitivo, o projeto deverá ser sólido, a ponto de tornar muito claras, além da própria qualidade: intrínseca, as considerações do candidato quanto à exequibilidade da proposta, nas condições em que pretende trabalhar.

Em relação à instituição em que o projeto será desenvolvido, a FAPESP exigirá que ela se comprometa com as metas do programa, oferecendo condições adequadas de espaço, infra-estrutura, tempo de dedicação à pesquisa, pessoal de apoio e liberdade para que o jovem pesquisador ou o grupo recrute estudantes para o projeto. A Fundação também avaliará a política de recursos humanos da instituição naquilo em que for relevante para o projeto.

A priori, não é obrigatório vínculo empregatício entre o jovem pesquisador e a instituição hospedeira. Neste caso, ele receberá uma bolsa equivalente à de pesquisador visitante, em nível compatível com sua experiência, por dois anos, renovável por outros dois. Mas a instituição hospedeira deverá explicitar as circunstâncias que permitirão a incorporação do pesquisador a seu quadro permanente.

Os recursos a serem concedidos dependerão da área de pesquisa e dos detalhes do projeto aprovado. Levar-se-á ainda em conta as condições operacionais das instituições em que serão desenvolvidos, de tal forma que pesquisadores que vão atuar em instituições mais carentes de infra-estrutura poderão receber auxílios superiores aos que teriam se fossem trahalhar em instituiçõs mais bem equipadas. Na elaboração do projeto e do orçamento isso deverá ser considerado, assim como as recomendações válidas para solicitações regulares de Auxílio à Pesquisa da FAPESP.

Se o jovem pesquisador não tiver ainda uma instituição hospedeira interessada, ele poderá enviar dentre as informações solicitadas pelo Programa aquelas que estiverem disponíveis, para que a Funuação as divulgue junto a instituições no Estado de São Paulo. A instituição interessada deverá, então, entrar em contacto com o pesquisador, devendo a apresentação da documentação completa exigida pelo Programa ser apresentada até, no máximo, 60 dias após a divulgação dos dados do projeto pela Fundação.

Republicar