Imprimir PDF

Humanidades

Da iniciação à Bienal

Uma pesquisa realizada no âmbito de urna bolsa de Iniciação Científica, concedida pela FAPESP, resultou, pela primeira vez, em um livro publicado e colocado normalmente no mercado: Ponto de Vida: Cidadania de Mulheres Faveladas, de Andrea Paula dos Santos, Edições Loyola, foi lançado durante a 14ª Bienal Internacional do Livro, em São Paulo, no mês de agosto.

A obra é estruturada sobre os depoimentos de seis mulheres pobres, ligadas à “Associação de Mulheres Carolina Maria de Jesus”, na periferia do Guarujá, Baixada Santista. Foram relatos obtidos por Andrea, em dezembro de 1992, quando era ainda aluna de graduação na USP e participou de um projeto de pesquisa sobre a escritora favelada Carolina Maria de Jesus (Quarto de Despejo, Diário de uma favelada, 1960), coordenado pelos professores José CarIos Sebe Bom Meihy, do Departamento de História da USP e Roberto Levine, da University of Miami.

O objetivo dos dois pesquisadores era produzir um livro sobre a escritora carioca, que foi publicado em português, em 1994, pela editora da UFRJ, com o título Cinderela Negra: a saga de Carolina Maria de Jesus, e saiu no ano seguinte em inglês, numa edição da University of New Mexico Press, Albuquerque, como Life and Death of Carolina Maria de Jesus. O livro de Andrea pode ser tornado como um novo produto editorial resultante daquele projeto de pesquisa e, segundo o professor Bom Meihy, demonstra que as bolsas de Iniciação Científica “representam, efetivamente, a possibilidade do salto qualitativo na condição de ensino e de pesquisa”.

Republicar