Imprimir PDF

Tecnociência

O computador quântico mais perto

Foi dado mais um importante passo no sentido de tornar viável a produção de computadores quânticos. Uma equipe da Universidade Autônoma de Barcelona e da Universidade de Salamanca, na Espanha, descobriu uma maneira de obter um fenômeno nunca explorado até agora: capturar duas partículas de uma vez entre dois estados de energia excitados. A pesquisa, publicada em janeiro na Physical Review Letters, poderá ser muito útil para o desenvolvimento da computação quântica. Enquanto os computadores tradicionais trabalham em sistema binário (os bits, que podem assumir o estado de 0 ou 1), os computadores quânticos trabalham com partículas, como o elétron ou núcleos atômicos, que podem ficar num estado de superposição, representando simultaneamente 0, 1 e tudo o mais que existe entre esses valores – o que confere ao computador quântico uma incrível capacidade de processamento.

Uma das linhas mais dinâmicas da física atual é, justamente, a utilização de pulsos de raiolaser para manipular os átomos, afetar seus estados eletrônicos e, assim, criar esses bits quânticos. Contudo, esses estados internos de superposição de elétrons são muito instáveis: a interferência do próprio ambiente pode destruí-los, num fenômeno chamado decoerência. Os pesquisadores espanhóis deram um passo adiante: conseguiram capturar um par de partículas entre dois estados de energia excitados – que permite criar esses estados de superposição, tão úteis para a física quântica, em duas partículas de uma só vez.

Republish