Imprimir PDF Republicar

Memória

O renascimento do Patriarca

Projeto publica on-line documentos, livros e imagens reunidas de José Bonifácio de Andrada e Silva

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO RIO DE JANEIROBonifácio idealiza a bandeira brasileira (quadro de Eduardo Sá): várias raças, um só paísASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO RIO DE JANEIRO

José Bonifácio de Andrada e Silva não descansa em paz. Quase 170 anos após sua morte, há muito por saber sobre quem foi o personagem crucial do Império e ator imprescindível da Independência. Isso para falar apenas da parte mais conhecida de sua vida.

Se forem computados os longos anos como cientista, administrador, pensador, poeta e político em outros países além do Brasil, é caso quase para se desistir de pesquisar seriamente o Patriarca da Independência. “Este é um enorme problema para o pesquisador brasileiro: José Bonifácio passou 40 de seus 70 anos no exterior,”  diz Jorge Caldeira, doutor em ciência social e jornalista. “Reunir informações sobre ele é um drama também no Brasil, onde todo o material está muito fragmentado.”

Caldeira criou e dirige o projeto José Bonifácio: obra completa, um ambicioso trabalho de reunião de tudo o que foi produzido por Andrada e Silva e dos documentos que tenham relação com ele. O objetivo é fotografar documentos, manuscritos e imagens e deixar disponível para consulta no site www.obrabonifacio.com.br.

Hoje o site tem o equivalente a 35 livros de 300 páginas, o que caracteriza a maior coleção sobre José Bonifácio (1763-1838) reunida no Brasil. Caldeira começou a pensar no projeto quando organizou a coleção Formadores do Brasil para a Editora 34. “Descobri que a biografia mais recente sobre ele foi publicada em 1943 por Otávio Tarquínio de Souza,”  diz. A dificuldade em encontrar material disponível torna qualquer mestrado ou doutorado muito complicado e caro, o que explica o número pequeno de estudos específicos sobre Bonifácio.

A partir dessa constatação, Caldeira acreditou que poderia usar uma das características da internet, a universalidade, para divulgar em um site, gratuitamente, as informações que ainda não existiam reunidas. Todas as imagens e documentos encontrados aqui ou no exterior são fotografados e disponibilizados no site.

Para transformar essa idéia em realidade Caldeira conseguiu o patrocínio da Cosipa e da Rio Negro, empresas do sistema Usiminas, por meio da Lei Rounet. Formou um conselho diretor com nomes competentes da história e da ciência política brasileiras: Boris Fausto, Alberto da Costa e Silva, Celso Lafer, José Murilo de Carvalho e Esther Caldas Bertoletti. “São eles que indicam onde estão as coisas sobre e do Bonifácio,”  explica.

Para tocar o projeto cotidianamente há uma equipe que já chegou a ter 27 historiadores, entre graduandos e doutores. Uma equipe técnica adapta as ferramentas existentes na internet à prática da pesquisa histórica e às necessidades dos internautas. O que já está no ar hoje é resultado do trabalho de 60 pessoas. Nestas duas páginas há dois bons exemplos do que encontrar na coleção on-line. Um é o decreto de 3 de junho de 1822 em que Bonifácio convoca a Assembléia Constituinte do Brasil, baixado cerca de três meses antes do 7 de Setembro –  é a primeira amostra dos preparativos para a proclamação da Independência. Outro é uma Carta de Mercê concedida a ele por dom João VI, em 1820, quando recebeu o título de conselheiro real. Ambas estão disponíveis no site.

O projeto começou em 2005 e deve ir até 2008 – ainda existem milhares de informações a serem encontradas e transportadas para o meio virtual. Até agora foram consumidos R$ 2 milhões. E ainda será preciso visitar Paris, Lisboa, Coimbra e Freiberg, onde Bonifácio viveu, e arquivos e bibliotecas da Suécia, Dinamarca, Itália e Hungria, por onde ele passou como estudante de mineralogia ou a trabalho. Uma característica do projeto é que ele permite uma ampla pesquisa não apenas sobre o Patriarca, mas também acerca do Império ou de quaisquer outros personagens importantes que tenham convivido com ele, como dom Pedro I. O enciclopédico Bonifácio certamente ficaria muito feliz com tantas informações.

Republicar