Imprimir PDF

Brasil central

A crosta no Brasil central

Livia FioravantiChapada dos Veadeiros: estudos profundosLivia Fioravanti

Em março, geólogos e geofísicos da Universidade de Brasília (UnB) e de universidades de São Paulo e de estados do Nordeste realizaram a segunda etapa dos testes de campo para medir a espessura da crosta – a camada mais superficial da superfície terrestre – da chamada Província Borborema, formada pelos oito estados do Nordeste. Ali, principalmente no Rio Grande do Norte e no Ceará, os tremores de terra são intensos. Esse levantamento é resultado de um trabalho de medição da estrutura da crosta que começou há 12 anos na Chapada dos Veadeiros, em Goiás, valendo-se da mesma técnica (refração sísmica profunda). Na chapada, onde os tremores também são frequentes, mas menos intensos, a espessura da crosta está em torno de 44 km. Porangatu, norte de Goiás, é onde a crosta é mais fina: 36 km. Coordenados por José Soares e Reinhardt Fuck, ambos da UnB, esses levantamentos literalmente aprofundam o conhecimento sobre as regiões Centro-Oeste e Nordeste do Brasil, antes conhecidas apenas até poucos quilômetros abaixo da superfície, e alerta para as áreas mais sujeitas a tremores de terra no país.

Republish