Imprimir PDF

Resenhas

Dilemas bioéticos

GenÉtica: escolhas que nossos avós não faziam | Mayana Zatz | Editora Globo, 202 páginas, R$ 29,90

Pesquisas de opinião sobre o tema nunca foram feitas no Brasil, mas dá para apostar que para a maioria das pessoas os grandes dilemas bioéticos são subprodutos de tecnologias novíssimas. A lista incluiria clonagem, obtenção de células-tronco embrionárias, terapia gênica e seleção de embriões por métodos moleculares. São possibilidades que surgiram apenas no fim dos anos 1990, ou mesmo depois. Em seu novo livro, Genética: escolhas que nossos avós não faziam, a geneticista Mayana Zatz, da Universidade de São Paulo, conta como conviveu com todas essas revoluções e com as dúvidas que elas trouxeram.

O envolvimento da pesquisadora com esse tipo de problema antecede, na verdade, boa parte dos temas de fronteira tratados no livro. Foi nos anos 1970, quando os métodos de “leitura” do DNA mal começavam a engatinhar, que Zatz iniciou sua participação em um serviço de aconselhamento de famílias portadoras de doenças genéticas, por convite de seu mentor, Oswaldo Frota-Pessoa. O contato com os afetados por esses problemas a levou a fundar a Associação Brasileira de Distrofia Muscular em 1981.

O histórico de engajamento explica por que o livro da pesquisadora em nenhum momento se contenta em abordar dilemas bioéticos pelo prisma teórico. Todas as questões enfrentadas por Zatz partem de casos reais com os quais ela teve contato direto. São detalhadas, por exemplo, as saias-justas que ocorrem quando, ao procurar marcadores de doenças genéticas, acaba-se achando casos de paternidade biológica diferente da afirmada pela família. E fala, claro, de clonagem humana. Em resumo: clones não seriam mais cópias exatas do “original” do que irmãos gêmeos idênticos são cópias uns dos outros.

Se o livro de Mayana Zatz tem um defeito, talvez seja justamente o de mirar majoritariamente o leitor sem nenhum conhecimento de biologia. Para os interessados na ciência por trás da bioética, um pouco mais de detalhes seria bem-vindo.

Republicar