Imprimir PDF

Pesquisa empresarial

Sabor natural

A catarinense Duas Rodas investe no desenvolvimento de ingredientes para a indústria alimentícia visando a nova demanda dos consumidores

Planta-piloto de pastilhas comestíveis contendo aditivos criados pela empresa

Duas rodas

Novos hábitos de consumo à mesa e ações governamentais estão fazendo com que a indústria de alimentos e bebidas dedique mais atenção à inovação. No fim de 2018, representantes do setor comprometeram-se com o Ministério da Saúde a reduzir a quantidade de açúcar em seus produtos até 2022. Iniciativas semelhantes já haviam sido realizadas visando à diminuição de sódio e gorduras trans. A próxima meta é a redução de gorduras totais. Ao mesmo tempo, cresce a exigência entre os consumidores por uma alimentação mais natural e saudável.

Desenvolver ingredientes que ajudem a indústria alimentícia a atender às novas demandas de consumo é hoje a principal incumbência dos laboratórios da catarinense Duas Rodas, uma das líderes nacionais na fabricação de aromas, extratos, condimentos e aditivos para fábricas de alimentos e bebidas. A companhia, com sede em Jaraguá do Sul (SC), investe em pesquisa e desenvolvimento (P&D) pelo menos 5% do faturamento anual, que foi de R$ 804 milhões em 2018.

A empresa obteve por volta de 18% de sua receita no ano passado com novos produtos. O esforço inovador foi reconhecido pela Strategy&, consultoria estratégica da multinacional da área de auditoria PwC, que classificou a Duas Rodas como a segunda empresa mais inovadora do setor de alimentos e bebidas do país, superada apenas pela Ambev, e a 48a no quadro geral de seu ranking de inovação.

Empresa
Duas Rodas
Jaraguá do Sul (SC)
Setor
Alimentício
Centros de P&D
Jaraguá do Sul (SC) e São Bernardo do Campo (SP)
Nº de pesquisadores
200
Principais produtos
Ingredientes para a indústria de alimentos e bebidas, como aromas, extratos, condimentos, aditivos e produtos para sorvetes e confeitaria

O levantamento, realizado com o apoio da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei), revelou ainda que o segmento de alimentos e bebidas é um dos menos inovadores do país – ocupa a 16a posição entre 21 setores pesquisados.

Entre as novidades da companhia que chegaram ao mercado nos últimos dois anos estão aditivos como o T-Sweet, um aroma feito a partir de plantas que permite ao fabricante arredondar o sabor final de produtos que sofreram redução de açúcar na formulação. Outras duas inovações, desenvolvidas a partir de matérias-primas alimentícias, são o NaLess, que permite a substituição parcial de sódio em biscoitos, snacks, temperos e carnes industrializadas ao gerar sensação de salgado, e o FatLess, solução que substitui o uso de gordura em biscoitos recheados.

Como explica Antônio Carlos Figueiredo Gonçalves, diretor de Inovação e Tecnologia da Duas Rodas, açúcar, gordura e sódio (sal) são hoje vistos como vilões na alimentação, uma vez que o uso em excesso desses ingredientes pode gerar problemas de saúde, como hipertensão arterial e colesterol alto, elevando os riscos cardíacos. No entanto, esses ingredientes são fundamentais para o sabor dos alimentos e têm funções e propriedades difíceis de ser substituídas. Sem gordura, por exemplo, a massa de pães e bolos não cresce. A gordura gera maciez, e o sódio atua como conservante. O açúcar é importante na fermentação, conservação, textura e cor dos alimentos. “O desafio é desenvolver ingredientes que cumpram as mesmas funções, mas que sejam mais amigáveis à saúde humana”, afirma Figueiredo Gonçalves.

Segundo Leonardo Fausto Zipf, presidente da Duas Rodas, existem duas macrotendências de consumo de alimentos que demandam soluções convergentes: que sejam saudáveis e tenham indulgência. Indulgência é o jargão empregado no setor para se referir a algo gostoso, que gera prazer. “O produto saudável necessita de indulgência para atender às exigências de paladar do consumidor, pois o sabor é o principal fator de recompra”, diz Zipf. “Nosso foco é fornecer ingredientes com as duas propriedades.”

Duas Rodas Fábrica em escala piloto de alimentos embutidosDuas Rodas

Quase centenária, a Duas Rodas foi fundada em 1925 por dois imigrantes alemães, o químico farmacêutico Rudolph Hufenüssler e a esposa, a física Hildegard Hufenüssler, que instalaram uma fábrica de extratos e essências naturais em Jaraguá do Sul. Os Hufenüssler são de Mainz, cidade próxima a Frankfurt que tem no centro de seu brasão o desenho de duas rodas – a inspiração para o nome do negócio.

Além da unidade catarinense, a companhia conta com mais duas fábricas no Brasil, no município sergipano de Estância e em São Bernardo do Campo, na Região Metropolitana de São Paulo, e outras quatro na América Latina: na Argentina, no Chile, no México e na Colômbia. Ao todo, são 1.600 colaboradores, a maioria (1.374) no Brasil. A companhia vende seus produtos para 10 mil clientes em 30 países. O mercado externo é a origem de cerca de 15% da receita.

A estrutura interna de P&D é composta por um Innovation Center e um Centro Tecnológico de Pesquisa e Desenvolvimento, ambos em Jaraguá do Sul, e um Centro de Tecnologia e Inovação, inaugurado em 2018 após investimento de R$ 5 milhões, junto à fábrica paulista. Cada uma das demais unidades industriais tem laboratórios regionais de P&D. São, ao todo, 200 pesquisadores e especialistas técnicos com prevalência de engenheiros de alimentos, químicos e nutricionistas. Do total, 10% têm mestrado ou doutorado.

O processo de inovação, porém, não está confinado aos laboratórios e centros de pesquisa. Segundo Leonardo Zipf, a empresa também estimula sua equipe a apresentar soluções por meio de comitês de inovação, núcleos formados por gestores de diferentes áreas que promovem discussões sobre todos os setores.

Duas Rodas Análise de amostra de morango em equipamento de cromatografiaDuas Rodas

A Duas Rodas criou em 2016 uma plataforma aberta de inovação, batizada de Planta, cujo objetivo é aproximar indústrias de alimentos, clientes da empresa, profissionais da área de alimentação e gastronomia, estudantes universitários e consumidores em projetos de inovação colaborativa. A plataforma soma 18 mil pessoas conectadas e mais de 750 ideias cadastradas. Neste ano, a Planta será ampliada a fim de se tornar também um centro de aceleração de startups.

Recentemente a Duas Rodas incorporou ao seu portfólio um novo smoothie, criado a partir de ideias apresentadas na Planta. Smoothies são bebidas espessas e cremosas preparadas à base de frutas. A indústria os utiliza principalmente na produção de lácteos, como iogurtes. Os tradicionais são comercializados na forma líquida, enquanto a nova versão da Duas Rodas é em pó e demanda acréscimo de água no momento do uso pelo consumidor. A aposta é que o formato torne mais prático o transporte, a estocagem e a manipulação por parte da indústria.

A estratégia de inovação aberta estimulou a companhia a inaugurar há seis meses o espaço Sala Ouvir na Faculdade Senai Jaraguá do Sul, mantida pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e pela Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc). No espaço, são realizados debates, apresentações e reuniões. “O objetivo da Sala Ouvir é aproximar a indústria e a academia e promover inovação aberta”, destaca Antônio Carlos Figueiredo Gonçalves.

O diretor de Inovação e Tecnologia relata que a parceria entre a Duas Rodas e a academia já ocorre há alguns anos. Um projeto recente envolveu as universidades Federal de Santa Catarina (UFSC) e a do Vale do Itajaí (Univali). O trabalho resultou em uma linha de compostos desidratados naturais com base em acerola e extratos botânicos para uso em carnes embutidas, como salames, linguiças e salsichas. O ingrediente é um conservante natural com função antioxidante.

Duas Rodas Pesquisadora realiza ensaio de bebida láctea contendo o aroma T-SweetDuas Rodas

Maior durabilidade
“Os testes de laboratório demonstraram que os compostos são capazes de aumentar a vida útil dos alimentos estudados em dois meses”, ressalta o bioquímico Pedro Luiz Manique Barreto, professor da UFSC e coordenador de uma equipe de cinco alunos do curso de ciência e tecnologia de alimentos dedicada ao projeto. Aumentar em dois meses a vida útil é ampliar significativamente o tempo de prateleira desses embutidos, que normalmente recebem indicação de dois meses para o consumo. Barreto avalia que o desenvolvimento de ingredientes naturais, como os compostos desidratados de acerola e extratos botânicos, atende a uma demanda crescente por produtos mais saudáveis.

Um desafio de inovação que a equipe de P&D está empenhada em superar diz respeito à crescente demanda do consumidor pelo uso de proteína vegetal em sua alimentação. “Pesquisas apontam que um quarto da população brasileira manifesta interesse em substituir a proteína animal, total ou parcialmente, eliminando a carne em algumas refeições durante a semana”, relata Gonçalves.

Soja, ervilha e grão-de-bico são vegetais ricos em proteína e de valor nutritivo elevado, substitutos naturais da carne e do leite. A questão, segundo o diretor de Inovação, é que o sabor, o odor e a textura desses alimentos não são tão agradáveis ao paladar. “A nossa tarefa é criar ingredientes que acrescentem as características sensoriais de carne e leite, mascarando o acentuado sabor e odor da proteína vegetal”, afirma.

O plano estratégico da Duas Rodas, estabelecido em 2015, prevê que a companhia chegue a 2020 com crescimento superior a 10% ao ano. Outra meta é a intensificação da expansão internacional dos negócios, por meio de aquisições de pequenos concorrentes no exterior ou da construção de unidades fabris totalmente novas. No momento, a direção da empresa estuda oportunidades nos Estados Unidos, Europa e Ásia. “Vamos nos internacionalizar cada vez mais”, informa Figueiredo Gonçalves. “Nossa meta é obter 20% do faturamento no exterior em 2020 e 30% em 2025.

076-079_Empresas-Duas-Rodas_278-1 Republicar