Imprimir PDF

Biologia

A cacatua que só quer se divertir

Snowball, executando um de seus passos de dança

Irena Schulz

É característica humana balançar o corpo de modo ritmado ao som de música. Snowball, uma cacatua (Cacatua galerita eleonora), também não se acanha: eriça o topete, sacode a cabeça, ondula o pescoço, requebra e ergue as patas ao som de “Another one bites the dust”, da banda britânica Queen, e de “Girls just wanna have fun”, da cantora norte-americana Cyndi Lauper. Para uma equipe liderada pelo psicólogo Aniruddh Patel, da Universidade Tufts, nos Estados Unidos, o comportamento ritmado não é só divertido. Pode trazer revelações sobre o funcionamento cerebral dessa ave da família dos papagaios, única dançarina espontânea documentada no mundo animal além dos seres humanos – outros animais mexem o corpo de forma estereotipada para atrair a atenção de parceiros sexuais ou ganhar comida. A dona de Snowball, a norte-americana Irena Schulz, estimulava a ave dançando junto e a elogiando. A dançarina humana, no entanto, limitava-se a balançar a cabeça e acenar com as mãos, eliminando a pura imitação como a explicação para o talento da cacatua. Os pesquisadores identificaram 14 movimentos de dança e suspeitam que sejam produzidos usando regiões frontais do cérebro que incluem áreas ligadas ao aprendizado motor e aprendizado vocal (Current Biology, 8 de julho).

Republicar