Imprimir PDF

Epidemiologia

Aumenta alerta contra surto de ebola na África

Profissionais da saúde da RDC são treinados para tratar infectados com ebola

IFRCnews

A Organização Mundial da Saúde (OMS) elevou o nível de alerta contra o surto de infecção pelo vírus ebola na República Democrática do Congo (RDC). Em 17 de julho, a instituição declarou a situação uma emergência em saúde pública de importância internacional. Esse é o grau mais alto de atenção para uma enfermidade, decretado em ocasiões extraordinárias nas quais há risco de espalhamento para outros países e sua contenção exige uma resposta coordenada de diferentes nações. A mudança de status do surto ocorreu por causa de sua progressão recente: ele se espalhou por uma região maior da RDC. O anúncio ocorreu pouco após a confirmação de um caso em Goma, cidade de 2 milhões de moradores e com aeroporto internacional no oeste do país, próxima à fronteira com Ruanda. De 1º de agosto de 2018 (quando o surto atual foi reconhecido) a 21 de julho deste ano, houve 2.498 casos de infecção por ebola e 1.649 mortes. Identificado em 1976 na RDC, o vírus já provocou cerca de duas dezenas de surtos, quase todos na África. No mais grave (2014-2016), cerca de 29 mil pessoas foram infectadas e 11,3 mil morreram. Transmitido inicialmente para o ser humano por animais silvestres, o vírus se dissemina de uma pessoa para outra pelo contato com secreções e fluidos corporais infectados. A princípio, o ebola provoca febre e cansaço, além de dores nos músculos e na cabeça. Em seguida, surgem vômitos, diarreia, manchas vermelhas pelo corpo e sinais de danos nos rins e no fígado. Pode haver sangramentos. No surto atual, 66% das pessoas infectadas morreram. Não há medicamento que elimine o vírus. O tratamento consiste em combater os sintomas. Uma vacina experimental vem sendo usada para imunizar a população. “Se a comunidade internacional não aumentar o financiamento e a resposta agora, pagaremos o preço desse surto por um longo período”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, em um comunicado à imprensa.

Republish