Imprimir PDF

Cartas | 282

Cartas | 282

Vídeos
Mesmo tendo chegado ao Instituto de Física da Unicamp em 1975, encontrei algo que não conhecia nesse vídeo (“O físico que trouxe o laser para o Brasil”). Para quem o conheceu, e até pode perceber nas fotos, a mirada sagaz de Sérgio Porto era a marca de sua figura.

José Lunazzi

*
Uma alegria ver esse vídeo. Era irmão de meu pai e o conheci quando criança. Em nome da família, agradeço a homenagem.

Haroldo Pereira da Silva Porto Júnior

*
O trabalho “Como os vídeos podem colaborar com a pesquisa científica” é muito importante. Tanto permite perceber detalhes procedimentais que explicam diferentes resultados quanto mostra a criatividade dos pesquisadores em contornar suas privações no exercício da profissão.

Felipe Tadeu Fiorini Gomide

*
A pesquisa se adaptando às novas realidades.

Gabryella Rodrigues da Silva 

*
Muito interessante. Legal saber que já temos um novo formato para divulgar a ciência. Parabéns a Atila Iamarino por participar dessa inciativa.

Daniel Gomes

**
Plásticos
Excelente reportagem sobre plásticos (“Planeta plástico”, edição 281). Embora tenha uma grande importância na medicina com seus materiais descartáveis, é também o maior poluidor.

Anderson Santos

**
Volta à Lua
Gostei muito do retrospecto “Da guerra ao espaço” e do infográfico “Pioneiros no espaço” com a sequência de feitos da disputa URSS versus EUA (edição 280). A efeméride teve ótima edição de Pesquisa FAPESP.

Fabrício Cunha

**
Boas práticas
Há que se pensar como promover a pesquisa científica e desestimular o plágio e as distorções dos dados sem cairmos no excesso de controle (“Mecanismos de autocorreção da ciência”, edição 280). Fazer ciência é aprender a ser responsável diante do objeto de estudo.

Rodrigo Pissara

**
France Córdova
Na entrevista da diretora da National Science Foundation, France Córdova (“Para entender a natureza das coisas”, edição 280), está o melhor diagnóstico que já li sobre financiamento privado versus público: “As empresas procuram retorno no curto prazo, precisam dar satisfação e rentabilidade aos acionistas. Em nosso caso, muitos de nossos acionistas nem sequer nasceram”.

Lazaro Eustaquio Pereira Peres

***
Sua opinião é bem-vinda. As mensagens poderão ser resumidas por motivo de espaço e clareza. cartas@fapesp.br

Republish