Imprimir PDF

Assédio

Uma lei para inibir assédio nas universidades

Pontifícia Universidade Católica do Chile, em Santiago

Sfs90 / Wikimedia Commons

O Senado do Chile aprovou em 20 de agosto um projeto de lei com o intuito de forçar as universidades apoiadas pelo Estado a criar um protocolo detalhado sobre como lidar com denúncias de assédio sexual, especialmente aquelas que envolvem estudantes e alunos de pós-graduação que não fazem parte do quadro de funcionários dessas instituições. O projeto, que ainda precisa ser ratificado pelos deputados chilenos no próximo ano antes de entrar em vigor, enfatiza a necessidade de as universidades adotarem uma definição concreta do que é assédio e estabelecerem punições duras para os assediadores. Até mesmo a possibilidade de corte de verbas públicas para as universidades que não implementarem medidas nesse sentido faz parte da iniciativa. O projeto de lei atende a um pedido de uma associação de pesquisadoras do país que trabalha em prol da igualdade de gênero nas universidades chilenas. Um estudo feito em 2017 pela Comisión Nacional de Investigación Científica y Tecnológica (Conicyt), agência nacional de fomento à pesquisa, indicou que 41% das pesquisadoras e 39% das estudantes entrevistadas haviam recebido elogios com conotação sexual em ambiente acadêmico.

Republicar