Imprimir PDF

Boas práticas

Má conduta sem segredo

Três agências de apoio à pesquisa do Canadá decidiram mudar suas normas de confidencialidade para poder revelar publicamente os nomes de pesquisadores condenados em processos por má conduta científica. Os institutos canadenses de pesquisa médica (CIHR) e os conselhos de pesquisa em ciências naturais e engenharia (NSERC) e de ciências sociais e humanidades (SSHRC) vão exigir que pesquisadores contemplados com financiamentos assinem um termo de consentimento permitindo que seus nomes possam ser revelados em caso de violação das normas de integridade. “Acreditamos que a introdução de consentimento irá reforçar ainda mais a reputação do Canadá no tocante à conduta responsável na pesquisa”, disseram os presidentes dos três órgãos em um comunicado, de acordo com o site da revista Nature. Como o Canadá tem leis de privacidade rigorosas, as agências têm sido acusadas de falta de transparência em episódios de má conduta. Recentemente, a NSERC não pôde divulgar os nomes de pesquisadores condenados por má conduta, incluindo-se um que declarou uma série de artigos fictícios em seu currículo, porque estavam protegidos pela lei. Esses nomes continuarão em sigilo, porque a mudança não é retroativa. Outra novidade é a exigência de que as instituições nomeiem comissões para investigar a má conduta“sem conflito de interesse, real ou aparente”, e que incluam“pelo menos um membro externo, sem afiliação atual com a instituição”. Essa exigência é mais específica do que as que vigoram em agências norte-americanas, que se limitam a regular o conflito de interesses.